ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Sexta-feira, 30 de Junho de 2006
CRÍTICA BOCAGEANA - ASSIM FALAM OS ESPECIALISTAS !

HERNÂNI CIDADE  6

Conclusão

“...Para terminar, lembremos a crítica que à perfeição do verso bocageano fez o poeta brasileiro Olavo Bilac, de quem a Academia Brasileira de Letras, quando do segundo centenário do nosaso poeta, enviou em medalhão a figura em bronze que dele representa a cabeça, como homenagem ao seu par português. Bilac era um mestre do verso perfeito e, assim, autoridade inexcedível no juízo que formulou sobre a mestria de Bocage:
«Em Portugal – diz Bilac – a arte de fazer verso chegou ao apogeu com Bocage e depois dele decaiu. Da sua geração e das que a precederam, foi ele o máximo cinzelador da métrica. (...) Portugal teve talvez poetas mais fortes, de surto mais alto, de mais fecunda inspiração. Mas nenhum o excedeu nem o igualou no brilho da expressão.»
Olavo Bilac é perfeitamente justo em considerar Bocage «o máximo cinzelador da métrica». O que talvez seja igualmente justo é reconhecer que tal se deve à herança, que ele recebeu e a que foi fiel, dum classicismo tocado de certo grau de barroquismo que, por felicidade, apenas raramente assoma na sua obra, mas, quando surge, dá-lhe uma graça de irresistível sedução. De qualquwer modo, parece que a melhor definição que da sua arte de poeta podemos dar é a que a patenteie coimo espontânea resultante de um ser essencialmente harmonioso, dir-se-ia que por graça de Deus se comunicando em canto, e do seu esforço na utilização da lição clássica. Esta fazia de toda a arte, mas principalmente da poesia, prazer fruído por todas as faculdades: razão e inteligência, sensibilidade e imaginação, destas duas, porventura, o superior grau da primeira compensando a relativa pobreza da segunda. Da colaboração de todas estas faculdades provinha também a força que o naturalista alemão Frederico Link, que por esse tempo visitou Portugal, notou na obra daquele que todos lhe diziam ser o maior poeta dos contemporâneos”.

                                                                                 F I M


publicado por assismachado às 18:28
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
blogs SAPO
subscrever feeds