ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Segunda-feira, 26 de Junho de 2006
CRÍTICA BOCAGEANA - FALAM OS ESPECIALISTAS
 HERNÂNI CIDADE 4

“Para Coleridge é a poesia « a melhor palavra na melhor ordem ». Bocage assim o entendia, mas considerando como «a melhor palavra», não apenas a mais significativa e de mais funda ressonância, senão também a de mais genuína raíz vernácula; e considerando como «a de melhor ordem» aquela que melhor insinuasse o encanto da música ou aquela a que mais relevo desse o arranjo artístico ou a imagem fúlgida. Nem o musical encanto se obtém á custa da clareza e vigor expressivos, nem estes diminuem aquele. O verso de Bocage tem a fluência natural e nítida da prosa, acrescida, porém, de todo o poder encantatório e emocionante da poesia. Pode o poema surgir de veementes explosões e tumultuosos conflitos interiores. Nem por isso é quebrado o harmonioso equilíbrio entre a sua ressonância na sensibilidade e sua eficiência sobre a inteligência. As duas quadras seguintes são exemplo de como o poeta artista tudo sabe submeter ao seu fino ideal estético, sempre vivo e vigilante:

A frouxidão no amor é uma ofensa,
Ofensa que se eleva a grau supremo
Paixão requer paixão; fervor extremo
Com extremo fervor se recompensa.

Vê qual sou, vê qual és, vê que dif’ rença!
Eu descoro, eu praguejo, eu ardo, eu gemo!
Eu choro, eu desespero, eu chamo, eu tremo,
E em sonhos a razão se me condensa!

Sim. O homem apaixonado fez tudo isto: descorou, praguejou, ardeu, gemeu, chorou, desesperou, chamou, tremeu; mas «o artista» sabia por demais que a víscera do sentimento – o coração – é «o vil músculo nocivo à arte», como o qualificava Carducci, e por isso lhe ordenou os movimentos em frase que, já de léxico e construção sintáctica de viva força, ainda recebeu, como expoente de expressividade e encanto, o rítmo de maior adequação sentimental; ou seja, o rítmo sacudido, galopante, de choques sucessivos, para exprimir os múltiplos, sucessivos aspectos do tumulto emocional vivido no passo presente”.

( continua )



publicado por assismachado às 18:37
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
blogs SAPO
subscrever feeds