ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2004
SE A MONTANHA NÃO DESCE A MAOMÉ... « A Tertúlia Itenerante »
A TERTÚLIA ITENERANTE

Crónica Poética
de Frassino Machado

Aquando da visita ao
Museu da Presidência
( 25 - 10 - 2004 )


Reunidos naquela tarde,
desprezando o temporal,
visitaram os tertulianos
o Museu Presidencial.

Ao entrarem bem ufanos,
como é de uso natural:
vai de retro quaisquer danos
- Revistemos s’ há metal.

Toda a gente passou bem
mas América acusou
pois sua mala em Belém
logo à entrada s’ encravou.

Inquirida com perícia
ali mesmo explicou:
- corta-unhas sr. polícia,
nada mais aqui passou!

- É preciso ter bilhete ?
Pois, que se há-de fazer,
valia a pena um ralhete
p’ ra tão pouca coisa ver !

- Não há desconto p’ ra gente,
que somos de boa fé ?
É uma Tertúlia diferente
que veio cá por seu pé .

- É Cultura, meus senhores,
o que ali vão visitar ,
se não o fora os penhores
logo haviam de o cobrar.

Deixámo-nos de conversa
pois o tempo ia passando,
cada área bem diversa
fomos todos admirando.

É bem justo, pois então,
destacar “instrução pública”
vê-se amostra de intenção
no Regime da República.

Desfilam ali patentes
qualidades e riquezas,
prestígio de Presidentes
sorrisos e delicadezas...

- Logo havia de encontrar
esta mulher horrorosa,
aqui a mais deve estar
para gente tão pomposa!

Quem não gosta come menos,
- vire os olhos, faz favor,
há aqui coisas de somenos
mas ‘stá tudo um primor!

Destacadas e expostas,
quer por mérito ou comendas,
coloridas e dispostas
preciosidades tremendas.

( A Tertúlia até merecia,
pela sua persistência,
uma simples honraria
por parte da Presidência! )

Fomos ver um videograma,
qual cinema simulado,
um Palácio de tal fama
cada vez mais recheado.

Os dois Vates à porfia
sentam-se p’ra ver também
pois fazerem companhia
não fica mal a ninguém.

- Ponha os óculos sr. Eloy,
veja aquela maravilha.
Mas a ele o que lhe dói
é não ser da camarilha.

A fitar o senhor Carvalho
diz Miranda em tom brejeiro:
- Se não senta leva ralho,
parece bicho-carpinteiro...

As imagens vão fluindo,
alternando à nossa frente,
estão mesmo confundindo
da Eugénia a permanente.

- Aquela, sim, é jeitosa
é um pedaço de mulher.
A outra, além de feiosa,
eu já nem a posso ver !

- Tu não sabes do que falas,
cala-te mas é para aí.
Agora já nem te ralas
Com os qu’ stão por aqui!

- Ó voçês, tenham lá termos,
acabem co’ a discussão,
viemos aqui p’ ra vermos
o que há de bom, pois então!

- Vejam aqueles retratos,
todos eles de espantar,
pela cara ‘stão bem gratos
a quem os tentou pintar!

- Columbano, tinha que ser,
Medina, pois está claro.
Paula Rego, nem p’ra ver...
então Pomar? Caso raro!

Passarele de estalar,
com Soares apalhaçado.
- Só na Feira Popular
muito bem recomendado...

- Ele gosta, diz a Rita,
deitando água na fervura.
- Toda a gente bem o fita
e é assim que faz figura!

- Sentemos aqui um pouco,
vejamos se temos mais.
- Sr. Carvalho até ‘stá louco
por não haver recitais!

- Pois sim. Foi minha sorte,
só faltava essa “chaga”,
ao menos que haja porte
e a paz que Deus nos traga.

- Pois, já que se faz rogado,
nem é tarde nem é cedo,
dê cá “profe” o «Obrigado»
p’ ro Carvalho ter degredo!

- Olha, ali está o Santana,
‘stá bem mesmo prazenteiro.
- Parece ser de uma cana,
cada vez é mais primeiro!

- Posto que está tudo visto
é melhor irmos embora
que ainda temos previsto
um belo lanche lá fora...

- Gostámos muito de ter
toda a vossa simpatia,
enriquecemos por ver
em tudo muita harmonia!

- Valeu a pena a visita,
tertulianos fiéis,
apenas fica a desdita
por não irmos aos pastéis.

- Tudo é bom com boa capa,
mesmo sem doces pastéis,
nós em Roma sem ver Papa...
francamente, por dois réis!

- Aproxima-se a borrasca,
já é tempo de zarpar
p’ ra não ficarmos à rasca,
diz Eloy a lamentar ...

O Carvalho, ao ralanti,
foi passando ‘strada além,
quem lhe valeu foi Gracietti,
não estivesse ele em Belém...

América disse adeus
a todos de uma assentada
cada um por meios seus
lá se foi de abalada.

Nesta Visita brilhante
toda cheia de virtude
a Tertúlia Itenerante
reforçou sua saúde.

Haja mais virtude assim
é o desejo que nos resta
com aroma de alecrim
e a alma sempre em festa.

Todo o mundo é só dilema,
injustiça e ilusão,
façamos da vida poema
e da poesia paixão !




Frassino Machado
In TROVAS DO QUOTIDIANO


publicado por assismachado às 19:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
blogs SAPO
subscrever feeds