ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2006
CRÍTICA BOCAGEANA - FALAM OS ESPECIALISTAS !
TEÓFILO BRAGA

Quando um Burger, um Uhland, um Wiland, se iam inspirar nas fontes tradicionais da sua nacionalidade, e criavam na sua independência e originalidade a literatura alemã, a falta desta intuição amesquinhou o maior génio poético que o século XVIII produziu em Portugal; começou Bocage por imitar a Arcádia, os quinhentistas, o pseudoclassicismo francês, e acabou por traduzir o latim ( … ). A este império da imitação deveu Bocage os defeitos de quase todas as suas composições, uma constante alegorização dos sentimentos personificados em entidades, a mitologia morta falsificando sempre a expressão das emoções, além do invencível cunho do convencionalismo dos tropos retóricos.
Esta precocidade ( poética ), que alardeia, mostra-nos que o raro dom começou a fazer que o cercassem de admirações muito cedo, despertando-lhes antes do tempo um exagerado sentimento da personalidade; os gabos enfatuaram-no, colocaram-no na dependência de quem o lisonjeasse, e tornaram-no de uma sensibilidade extrema diante da crítica. A improvisação, de que tanto abusou, que foi a base das admirações, e as sátiras virulentas, que vibravam implacavelmente, provinham da necessidade de aplauso, mesmo banal, e dos ressentimentos de uma vaidade ferida.
Bocage era atraído pelas cantigas estonteantes que se entoavam num ou noutro café, e que a diligência do Manique conseguia logo abafar. A impressão dos principais sucessos da Revolução Francesa existe fixada nos versos de Bocage; vibraram na sua bela alma, que tinha o poder, como o confessou Lord Beckford, de governar a seu capricho as impressões dos outros. A poesia era a expressão do seu estado de espírito revoltado; feria inconscientemente com as sátiras pessoais e dava largas à liberdade de pensamento desse negativismo crítico do século XVIII.
… apesar de gastar todo o estro nas banalidades dos motes insípidos dos outeiros das eleições de abadessados e das luminárias reais, de longe em longe o seu instinto da liberdade suscitava-lhe algum soneto, que vinha preparar-lhe a ruína.

Teófilo Braga,
In "História da Literatura Portuguesa"


publicado por assismachado às 10:43
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
blogs SAPO
subscrever feeds