ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Domingo, 13 de Fevereiro de 2005
POETAS CONSAGRADOS - António Gedeão
A POESIA É O VERBO

Por
António Gedeão

Quem me dera a mim cantar
como devia regar:
alma nua, toda nua
como a nudez dos cordeiros
ou como a Verdade e o Vento
alma em chamas, toda em chamas
como um incêndio invisível;
mãos erguidas, sem ninguém
que lhes adivinhe os gestos;
sangue das veias correndo
para o fundo dos abismos;
os olhos presos dos astros
sem que os astros o suponham;
e os pés deixando na terra
vestígios indecifráveis;
cantar adentro de mim
como se o canto não fosse
senão pureza e silêncio,
para que acima das coisas
só ficasse a palpitar
o coração do mistério.
E, dominando as palavras,
mais do que a lua as marés,
apenas se ouvisse o Verbo,
que está sempre no princípio
e sempre no fim de tudo.

Porque a poesia é só Ele !


António Gedeão
In “Movimento Perpétuo”


publicado por assismachado às 18:36
link do post | comentar | favorito

EDITORIAL BOCAGEANO - " EM LOUVOR DE BOCAGE "
Por
América Miranda

O poeta Bocage,génio incomparável, repentista sem rival, rei inconfundível do Soneto,Vate cuja obra facilmente se poderia ter guindado às alturas da Epopeia, cantor malogrado, como nele foi malograda a única radicada paixão, foi em definitivo, um desventurado, dos que vêm ao mundo predestinados para muito sofrerem. Essa predestinação explica muitas das incompatibilidades e converte em dever a reabilitação da memória de ELMANO frequentes vezes julgado com menos justiça e demasiada severidade por alguns erros que, como todos os mortais, ele cometeu. Por essa teimosia popular de não querer ou não entender o valor incontestável do Vate Sadino, a Tertúlia Poética “Ao Encontro de Bocage” tenta desde 1997 combater tão terrível injustiça. Assim, lenta e discretamente vai conseguindo, sem alardes, sem querer brilhar à sombra do Poeta, trazer a lume toda a sua rutilante e admirável poesia.

América Miranda
In O ARAUTO DE BOCAGE, Nº 77 / 78


publicado por assismachado às 18:26
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 9 de Fevereiro de 2005
A TRIBUNA DOS POETAS - Humberto de Castro
NAS ONDAS DO MAR

por
Humberto de Castro


Segui as ondas do mar
com o olhar
e vi-me ao sabor delas
deslizando pelo mundo.
Nelas banhei
a minha alma
e purifiquei-me
de todos os pecados.
Senti-me limpo,
puro,
vivo,
honesto,
feliz
- outro !

E continuo a deslizar
pelas ondas do mar !


Humberto de Castro
In POEMAS A NU


publicado por assismachado às 18:32
link do post | comentar | favorito

TRIBUNA DOS POETAS - Maria de Lourdes Agapito
AROMA DA PALAVRA

por
Lourdes Agapito


Poeta, não demores! Segue em frente
em busca do aroma das palavras!
À terra, com amor, deita a semente
para que o mundo seja diferente
e o campo desabroche quando o lavras!

Não esperes! Olha além e vê, sem medo,
que o verso é oração fundamental!
Que o tempo, com quem falas em segredo,
se insistes, vai-te pôr em cada dedo
o canto da poesia universal!

Não esperes de ninguém, mesmo que amigo,
a frase com aroma verdadeiro!
Vê, antes, ondear o loiro trigo
e canta, braço dado a um mendigo,
que o pão, agora, é vosso, e por inteiro !


Mª de Lourdes Agapito


publicado por assismachado às 17:52
link do post | comentar | favorito

A TERTÚLIA ITINERANTE - « Tertúlia à moda do Minho »

 Crónica de Assis Machado


            Realizou-se no transacto dia cinco do corrente – mais uma vez no Auditório Carlos Paredes, à Avenida Gomes Pereira, em Benfica – uma muito concorrida Tertúlia  "Ao Encontro de Bocage". Como era de esperar o público aderiu bem como, aliás, tem acontecido em quase todas as sessões.  A razão do nosso título, em epígrafe, deve-se a que o segundo número desta Tertúlia, se baseava na actuação do Grupo Etnográfico Danças e Cantares do Minho que – após a abertura inicial em que teve lugar um Diálogo Poético encenado por América Miranda e Félix Heleno, que animaram todo o público presente, tendo este último cantado duas canções a play-back – se exibiu a alto nível técnico. Uma após outra foram evoluindo algumas célebres Danças do Folclore minhoto que, bem acompanhadas musicalmente pelo dito Grupo, deram brilho e dinamismo a esta Tertúlia. Terminada esta actuação subiram ao palco sucessivamente, portando-se à altura do evento, diversos tertulianos, tais como:  Celeste Reis e América Miranda, com dois poemas seus cada uma, que foram muito aplaudidas pelo público.  Júlio Roberto que, com o seu charme declamativo tradicional, deliciou mais uma vez o público presente.  Humberto de Castro que interpretou a karaok, duas canções e declamou dois poemas de sua autoria, que muito agradaram a todos. Graciett Vaz, Francisco de Assis, Eugénia Chaveiro e Armando David. As suas actuações foram muito apreciadas.  De seguida actuou, com duas canções de sua autoria, uma delas em estreia, o cantor tertuliano Francisco de Assis. Fazendo-se acompanhar à viola as suas interpretações agradaram ao público.  Depois foi a vez das tertulianas Amélia Marques, Perpétua Matias e América Miranda que com alguns poemas de bom gosto encantaram o público.  E novamente Humberto de Castro subiu ao palco para interpretar, também a karaok, mais duas canções desta vez de Zeca Afonso. O público gostou e acompanhou.


            Para terminar e acabar em beleza América Miranda mandou subir ao palco os principais tertulianos que, em coro, e acompanhados por Francisco de Assis à viola, cantaram com entusiasmo o Hino da Tertúlia.  Pelo desenrolar de todas as iniciativas, com beleza , com dinamismo e com variações interessantes de temas e de cantares, teve lugar hoje, com toda a propriedade, uma autêntica "Tertúlia à moda do Minho".


                                                                                                             Assis Machado



publicado por assismachado às 10:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2005
LANÇAMENTO TERTULIANO - Humberto de Castro
CONVITE

HUMBERTO DE CASTRO tem o prazer de comunicar que o lançamento do seu novo livro “POEMAS A NU” terá lugar no dia 26 de Fevereiro, pelas 15 h e 45 min, na BIBLIOTECA MUNICIPAL CAMÕES, no Largo do Calhariz, nº 17 ( junto ao elevador da Bica ).
Haverá leitura de alguns poemas pelos actores e poetas, AMÉRICA MIRANDA, ANTÓNIO FLORIANO e FÉLIX HELENO, com acompanhamento musical por FRANCISCO DE ASSIS, que também cantará alguns temas de sua autoria.
HUMBERTO DE CASTRO interpretará canções dos seus últimos discos.

A ENTRADA É LIVRE. ESPERAMOS POR SI !


publicado por assismachado às 19:22
link do post | comentar | favorito

EDITORIAL BOCAGEANO - "EM LOUVOR DE BOCAGE"
Por
América Miranda


Segundo o "Dicionário de Rimas Luso-Brasileiro" , de Eugénio Castilho,
"o soneto português, podemos dizer sem exagero, nasceu com Bocage e com
Bocage morreu". Também houve diversas opiniões de grandes mestres da
poesia, louvores de poeta a outro poeta, que consideraram Bocage "o máximo
cinzelador da métrica".
O nosso Vate, como todas as criaturas, viveu sua época própria, formou estilo,
imprimiu personalidade à literatura, que atravessava uma fase indecisa,
emoldurando-a, pondo-lhe rutilante sinete, que jamais se extinguirá, nem nunca
perderá o brilho. Hoje no espaço etéreo banhado de intensa luz, deve estar
sobretudo dominada pela Divina Musa da Redenção e ficará sempre na memória e no coração dos que amam a sua magnífica obra e a sua forte e ímpar personalidade.


América Miranda
In O ARAUTO DE BOCAGE, Nº 75 / 76


publicado por assismachado às 18:51
link do post | comentar | favorito

FALAR , FALAR, ATÉ OS ANIMAIS FALAM ...
FAMOSA GERAÇÃO DE FALADORES



Famosa geração de faladores
soa que foi, Riseu, a origem tua ;
que nem todos os cães ladrando à lua,
tiveram que fazer com teus maiores.

Um a língua ensinou aos palradores,
outro o moto contínuo achou na sua ;
outro, além de encovar toda uma rua,
açaimou numa junta a cem doutores.

Teu avô, santanário venerando,
soube mais orações que mil beatas,
com reza impertinente os céus zangando.

Teu pai foi um trovão de pataratas ;
teu tio, o bacharel, morreu falando ;
tu falando, Riseu, não morres, matas !


Barbosa du Bocage
In RIMAS


publicado por assismachado às 12:56
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
blogs SAPO
subscrever feeds