ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Sábado, 10 de Fevereiro de 2007
CRÍTICAS BOCAGEANAS - ESTHER DE LEMOS

                                   BOCAGE VERSUS TRADIÇÃO I

Ironia de um destino infeliz que se prolongou para além da morte: Bocage é hoje ainda para o rural analfabeto da mais remota aldeia, para o garoto precoce das ruas, para a regateira dos mercados de Lisboa – Bocage é hoje ainda apenas um grande farçola, descarado e vadio, que dava respostas a tempo e tratava as coisas pelo nome. E ante essa imagem tosca fixada na tradição, pouco mais que um nome de personagem cómica a autorizar dichotes de mau gosto, acode-nos a palavra do poeta na agonia: «Já Bocage não sou».
Dizia-o na hora da suprema renúncia, sentindo que já a mesma personalidade se lhe desagregava e diluía nas sombras do fim: «Já Bocage não sou».
Mas, repetimo-lo nós, involuntariamente, imaginando o que o poeta diria se visse o que dele resta na tradição popular: já Bocage não é, com efeito, esse Bocage de feira; a máscara grosseira e deslavada oculta o rosto fulgurante de um dos maiores líricos portugueses – o maior do Século XVIII.
Ironia de um destino estranho. Porque Bocage odiou justamente as formas inferiores de contacto com o público e estigmatizou a “literatura de cordel»,a insulsa trivialidade dos almanaques, a venda ambulante de livros que rebaixava ao nível de vil mercadoria a obra pura do espírito. E muitos dos seus contemporâneos experimentaram o vigoroso sarcasmo com que chicoteava os traficantes de literatura barata.
Se Bocage soubesse que o seu nome assina hoje tanta piada insulsa e ordinária, riria talvez – ele que em tantas vezes soube rir de si mesmo – , riria com aquele riso de imortalidade que já antevia, ao sentir-se resvalar na decadência do fim: «Eis, no marco fatal, meu fim terreno! / Mas surgirei nos astros / Para nunca morrer! / Com riso impune, / Lá, zombarei da sorte».
Não foi, na verdade, com esta fama popular, aviltante, que Bocage sonhou. Tê-la-ia desdenhado e repelido se pudesse conhecê-la. Foi pela imortalidade do seu puro nome de poeta que se bateu sem descanso. Foi com a esperança dessa imortalidade que se consolou, nas horas amargas, das misérias do seu destino. Mais, ainda: foi ela que lhe permitiu encarar com serenidade quase alegria a morte próxima. A antevisão do pranto que os seus compatriotas fariam por ele, a certeza de permanecer na memória dos homens, arrancou-lhe alguns desses brados triunfais em que a sua lira é fértil, e modelou em frases lapidares uma exaltação que tem alguma coisa de teatral e de comovedoramente ingénuo – a volúpia das homenagens póstumas: «Meus dias murcharão, mas não meus louros».

( Cont. )



publicado por assismachado às 18:02
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
blogs SAPO
subscrever feeds