ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Segunda-feira, 14 de Agosto de 2006
DO LEGADO LITERÁRIO DE BOCAGE / II - Os Intelectuais e a Academia
                                        ACADEMIA DAS BELAS LETRAS / NOVA ARCÁDIA

Sensivelmente em 1788, foi fundada por Cândido José Xavier Dias a “Academia de Humanidades de Lisboa”, que era protegida pelo poder como se deduz pela atribuição de uma sede na secretaria do Senado de Lisboa. Terá tido uma actividade restrita, de acordo com as fontes hoje existentes - realizou uma sessão fúnebre, aquando do falecimento prematuro do príncipe do Brasil e herdeiro do trono, D. José, irmão do futuro D. João VI, e publicou os poemas nela recitados, da autoria de Manuel Franco de Sequeira, Luís Correia de Amaral e França, Belchior Manuel Curvo Semedo, Domingos Maximiano Torres, bem como um elogio histórico do Padre José Manuel de Abreu e Lima.
Lutas internas, como era comum nas academias de literatos, conduziram à sua desintegração, abrindo caminho para uma nova associação.
Em 1790, com o espectro da revolução francesa no horizonte, a nobreza nacional encontrava-se receosa e na expectativa da sua evolução. Os poetas Francisco Joaquim Bingre, Belchior Curvo Semedo e Joaquim Severino Ferraz de Campos decidiram, então, formar um cenáculo literário que tinha como desiderato fazer renascer as linhas de força que presidiram à “Arcádia Lusitana”, extinta em 1774, a qual apelidaram de “Academia das Belas-Letras de Lisboa”. A estes escritores se juntaram outros, tais como José Agostinho de Macedo, entretanto libertado da prisão, e Bocage que acabara de regressar do Oriente, na sequência de uma deserção das forças armadas.
As primeiras reuniões tiveram lugar em casas particulares. De imediato, porém, a aristocracia e Diogo Inácio de Pina Manique tiveram consciência de que esta agremiação literária poderia desempenhar um papel importante na pacificação e no controlo dos intelectuais. Com efeito, as ideias ditas francesas eram amplamente divulgadas por uma profusão de livros e panfletos iluministas que a Intendência-Geral da Polícia, a Real Mesa Censória e a Inquisição não conseguiam evitar.
Não surpreende, deste modo, que o Conde de Vimieiro tenha dado a mão à academia, disponibilizando o seu palácio para a realização de reuniões. Na sequência do seu falecimento, a sua sede foi transferida para o palácio do Conde de Pombeiro, José Luís de Vasconcelos e Sousa. Os encontros da “Academia de Belas-Letras” realizavam-se sob a presidência de um seu protegido, o “beneficiado” Domingos Caldas Barbosa, Lereno Selinuntino de seu nome arcádico, oriundo do Brasil e exímio tocador de modinhas.
Nos seus encontros, “as quartas-feiras de Lereno”, como Bocage causticamente as eternizou, os intervenientes banqueteavam-se exuberantemente, Caldas Barbosa tocava as suas composições e os escritores davam livre curso à sua pouco inspirada verve poética. A excepção era o talentoso Bocage, que, em sessões públicas, na presença da aristocracia e dos soberanos, recitou, em 1791, entre outras composições, os Idílios Marítimos.
Porém, o consenso poético foi efémero e, a partir de 1792, as fricções e os ataques pessoais eram lugar comum. Com efeito, a poesia laudatória, monocórdica, servida por uma retórica empolada e monótona, a feira de vaidades, o elogio mútuo e os ditames da época, numa sociedade vincadamente hierarquizada, despoletaram sátiras virulentas, para as quais a excessiva auto-estima e a irreverência de Bocage também muito contribuíram.
Os poemas recitados durante as sessões da academia encontram-se reproduzidos nos quatro tomos do Almanak das Musas, publicado em 1793, o qual constitui uma apologia rasgada da personalidade do Conde de Pombeiro e dos seus familiares, um tributo devido ao seu mecenas. Apresenta como expoente a tradução portuguesa da Arte Poética de Boileau, bem como uma carta deste escritor ao Conde de Ericeira, tradutor daquela obra, que constam do tomo segundo. Características neo-clássicas são visíveis nos poemas que o integram, cujos autores recorrem frequentemente à mitologia e à temática greco-latina, bem como aos seus géneros poéticos. Nesta publicação, estão representados poetas como Domingos Caldas Barbosa, o mais prolixo, Belchior Curvo Semedo, Francisco Joaquim Bingre, José Agostinho de Macedo, Luís José Correia de França e Amaral, entre outros. Bocage não colaborou nesta obra, porquanto já se incompatibilizara com alguns dos seus membros proeminentes.

Em 1795, as sessões da Academia foram transferidas para o Castelo de S. Jorge, onde estava sediada a Casa Pia de Lisboa, que fora fundada por Pina Manique. Sob o controlo apertado deste autocrata, a Academia continuou a reunir e a colaborar em festividades e homenagens oficiais – casamentos, aniversários, falecimentos dos soberanos, dos príncipes e da alta nobreza -, pelo menos até 1801.
Não são conhecidos quaisquer estatutos da “Academia de Belas Letras”, cujos membros, à boa maneira neo-clássica, ostentavam pseudónimos arcádicos, entre os quais se contam os seguintes: Bocage (Elmano Sadino), José Agostinho de Macedo (Elmiro Tagídeo), Francisco Joaquim Bingre (Francélio Vouguense), Belchior Curvo Semedo (Belmiro Transtagano), Joaquim Ferraz de Campos (Alcino Lisbonense), Domingos Caldas Barbosa (Lereno Selinuntino), Luís Correia de Amaral e França (Melizeu Cilénio), Domingos Maximiano Torres (Alfeno Cíntio), Tomás António dos Santos e Silva (Tomino Sadino), António Bersane Leite (Tiónio), José Tomás da Silva Quintanilha (Eurindo Nonacriense) e outros aos quais a pena cáustica de Bocage concedeu a posteridade.

Bibliografia: Borralho, Maria Luísa Malato e Melo, Gladstone Chaves – “Academias” in Biblos – Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa. Lisboa: Verbo, 1995; Braga, Teófilo - Os Árcades. Recapitulação da História da Literatura Portuguesa. Porto: Lello e Irmão, 1918; ID. - Filinto Elísio e os Dissidentes da Arcádia. Porto: Livraria Chardron,1901; Castelo-Branco, Fernando - “Significado Cultural das Academias de Lisboa no Século XVIII” in Bracara Augusta (Braga), nº 77/78, 1974, pp. 31-57; Figueiredo, Fidelino de – História da Literatura Clássica – Continuação da 2ª Época: 1580-1756. 3ª Época: 1756-1825. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1931; Palma-Ferreira, João – Academias Literárias Portuguesas dos Séculos XVII e XVIII. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1982; Silva, Luís Augusto Rebelo da - Arcádia Portuguesa, vols. 1, 2 e 3. Lisboa: Empresa da História de Portugal, 1909.
N. B.  Pesquisa de
Assis Machado


publicado por assismachado às 16:37
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds