ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Segunda-feira, 7 de Agosto de 2006
OS HUMANISTAS SÃO OS ARQUITECTOS DO MUNDO !
                                   ENSAIO SOBRE A DECADÊNCIA HUMANA 

                                                              Por 
                                                    Dr. Júlio Roberto

Estas palavras não são de desespero nem a descrição duma Civilização perdida.
Se, por acaso, daquilo que aqui escrevo for inevitável uma sensação de desconforto e amargura, porque os factos do homem de hoje e as características empobrecidas da sua existência, tal como os sinto e entendo, não podem deixar de conter em si esse estigma de decadência a que dedico estas reflexões.
Não deixo, porém, de alvitrar que o caminho para as soluções não vem nunca do que supomos serem as grandes mudanças exteriores a cada um – resoluções económicas, sociais ou políticas – sem que o grande encontro surja dentro de nós. Para tanto implica-se aqui um mergulho profundo no “eu”, um conhecimento corajoso e, às vezes, mortífero da personalidade individual, personalidade no sentido de “persona”, isto é, de pessoa integral e global, origem de toda a relação entre os indivíduos e de todo o indivíduo com o meio em que vive.
É pois esta angústia-força dificilmente exprimível, esta sensação do quase descobrir o segredo da dor e da alegria humanas, esta desmistificação necessária doas falsos mitos, raptores do corpo e da alma, que ouso tentar fazer.
Não sendo esta análise um derrota, mas uma crítica-esperança, aguardemos que a lucidez reencontrada pelos homens seja também a demolição do edifício frágil em que vivemos com as nossas ilusões.
E porque, por mais aberto que seja o nosso sorriso, ele é hoje, na maioria, ou um esgar barulhento ou um suporte disfarçado da dor, sendo talvez necessário quebrar os laços com uma Civilização que sufoca para encontrarmos o caminho da beleza, das sensações vitais da alma e da ascensão do Ser à plenitude que lhe é devida.


Júlio Roberto
In “Pequenas Parábolas da Alma”


publicado por assismachado às 19:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds