ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Terça-feira, 20 de Julho de 2004
ANEDOTÁRIO BOCAGEANO
O ANEDOTÁRIO ATRIBUÍDO A BOCAGE

Domingos Caldas, brasileiro famoso pelas modinhas que tangia à viola e ainda pelos seus versos, escreveu uma quadra pouco abonatória para Elmano :

"De todos diz mal
O ímpio Manuel Maria
E se de Deus não disse
Foi porque o não conhecia"

Acusação gravosa esta para a época, que podia significar um processo inquisitorial. Bocage não se fez rogado e respondeu literalmente:

"Dizem que o Caldas glutão
Em Bocage aferra o dente
Ora é forte admiração
Ver um cão morder na gente!"

É bem conhecido o carácter irreverente de Bocage. Com efeito, da sua pena contundente saíram sátiras impiedosas, críticas ao modelo de sociedade, ao governo, aos poderosos de uma maneira geral. O novo-riquismo, a mediocridade, as convenções sociais, o clero, os médicos, os avarentos e os literatos, entre outros, também foram objecto da sua observação rigorosa e da sua crítica corrosiva.
Recorde-se que a anemia e a estagnação que caracterizavam a sociedade portuguesa de finais do século XVIII eram um espartilho para uma personalidade que estava muito para além da mentalidade da época. Co-existiam em Bocage a sensibilidade extrema, a ousadia aberta, a percepção aguda da realidade, a emotividade exuberante e o imenso talento. Estes atributos, aliados a um repentismo fulminante e à sua permanente insatisfação relativamente aos valores dominantes e a determinados tabus, fizeram com que entrasse em rota de colisão com o poder, tendo sido preso por crime de lesa majestade e, pouco depois, entregue às malhas mutiladoras da Inquisição. O objectivo era a sua "reeducação". Ao fim de poucos meses, foi libertado pois o perigo de converter alguns frades aos seus ideais era cada vez mais real...
Poder-se-á defender a tese de que Bocage incarnou o inconsciente colectivo do povo português. Ele consubstanciou a voz do povo oprimido mas crítico que compensava com o riso, com a caricatura e com o ridículo a sua legítima insatisfação. A filosofia de vida de Bocage - crítico, ousado, irreverente, boémio, popular, espontâneo - propiciou- lhe uma auréola notável e consequentemente uma legião de admiradores. Comprova-o o facto de a sua personalidade ter sido incensada em mais de cem poemas da autoria de contemporâneos que tiveram o privilégio de com ele conviver.
Em contraponto e como corolário da sua frontalidade, registe-se que, obviamente, não foram poucos os seus detractores que acintosamente o atacaram em sátiras e polémicas que Bocage ia também ciosa e apaixonadamente alimentando.
Tendo em consideração que o povo português encarou Bocage como se de filho seu se tratasse, houve a tendência natural para lhe atribuir a participação activa em ocorrências cómicas, satíricas ou brejeiras. Dir-se-ia que o seu aval tornaria as situações mais credíveis e humorísticas.
Os livros de anedotas cuja autoria é atribuída a Bocage pouco terão a ver com o poeta. Pelo menos nada há escrito do seu punho de carácter anedótico. A tradição oral encarregou-se de ir perpetuando todo este acervo, como se fosse da sua autoria. Resta-nos apenas a filosofia subjacente a muitos destes livros, essa sim Bocageana, como muitos dos seus amigos – Pato Moniz, D. Gastão da Câmara Coutinho, Bingre, entre outros – testemunharam.
É bem verdade que Bocage foi a consciência crítica do povo, como já foi referido. Mas não é menos verdade que houve editores que, para ganharem dinheiro facilmente, instrumentalizaram o seu nome, optando pelo primarismo e pela obscenidade. Confundiram talvez conscientemente erotismo com pornografia, sensualidade com boçalidade, ironia subtil com sarcasmo.
O primeiro livro de anedotas atribuídas a Bocage de que há notícia remonta ao princípio do presente século e está directamente relacionado com a liberalizarão da sociedade portuguesa e com a comemoração do centenário do falecimento do escritor em 1905. A partir desta data, inúmeras edições foram vindo a lume.
De extrema relevância é o facto de a auréola bocageana se ter propagado exuberantemente ao Brasil. Com efeito, actualmente, o poeta tem mais livros à venda naquele país do que em Portugal e está amplamente representado na literatura de cordel brasileira, sendo o herói de aventuras tropicais e mirabolantes que ele não poderia ter protagonizado certamente na sua breve estada na Rua das Violas, no Rio de Janeiro, em 1786, a caminho de Goa.
Com o Vinte Cinco de Abril, Bocage, poeta da Liberdade e do inconformismo, foi sendo cada vez menos o protagonista do anedotário popular. A liberdade de expressão, finalmente readquirida, deslocou o "epicentro" das anedotas para outros intervenientes do nosso quotidiano. Com ampla vantagem para o Bocage sonetista emérito, tradutor rigoroso, sátiro impiedoso, polemista incansável e arauto de uma sociedade em sintonia com os valores mais nobres da natureza humana.


Pesquisa de
Assis Machado


publicado por assismachado às 23:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

LUGAR À PROSA LÍRICA

arquivos

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds