ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Segunda-feira, 2 de Agosto de 2004
TERTÚLIA DOS RESISTENTES
arauto.jpg

Crónica de Assis Machado


Tarde quente do último dia de Julho de dois mil e quatro. Acabo de sair do Metro da Linha Azul. As carruagens de Amadora Leste terminam o seu longo percurso na estação da hospitaleira Baixa Chiado. Seguem-se as não menos longas escadas rolantes que, após quatro altos e trepidantes patamares, culminam com mais uma pequena escada pedestre de trinta degraus. Tudo isto faz estarrecer de espanto os mais incautos transeuntes destas paragens. Dei de caras com o nosso estático poeta Fernando Pessoa que, não tendo nos tempos que correm mais nada para fazer, virou em mono fotogénico de quem passa para inglês ver. Mas não era este mono que, decididamente, me preocupava. A tarde abafadiça que assentou arraiais naquela Baixa estival convidava à tomada de um refresco na histórica Brasileira que, indolente e despovoada, mostrava o seu parco mas acolhedor ambiente logo ali ao meu lado.
Só então, depois de entrar no forum poetarum olissiponense, é que reparei que eu próprio me encontrava carregado com pasta académica, de estante metálica familiarmente dobrável e ainda engalanado com viola clássica a tiracolo. Estava relativamente cansado. Todavia confesso que era cedo para a hora estipulada da Tertúlia. Optei então, confirmando cuidadosamente as horas no meu companheiro de andança, por descansar um pouco. Faltava ainda uma hora mais quinhentos metros para o início da Tertúlia. Pousei descontraidamente os meus apetrechos artístico-culturais no primeiro canto disponível da grande sala da Brasileira. Ao lado, no quiosque da entrada, comprei o Público do dia para me inteirar com mais propriedade das últimas ocorrências... enquanto que, a uma simpática e elegante serviçal ( presumo que brasileira, como é óbvio e costumeiro por estas bandas ) deixei encomendado um cearense café de companha com uma refrescante água acastelada. Enquanto tomava o meu tropical líquido ia refrescando o espírito por dentro e por fora com algumas páginas do ocasional periódico. Eis quando, depois de um sobressalto inevitável, reparei serem horas de me remeter ao mister da tarefa que para hoje estava destinada.
São já catorze e cinquenta da tarde quando, finalmente, cheguei à Sociedade Portuguesa de Naturalogia. Dei logo de caras com uma tertuliana afoita. Juntei-me e, daí a pouco mais de cinco minutos chegou a nossa Presidente e mais dois ou três tertulianos. Subimos os quatro patamares de escadas, desta vez de madeira neo-clássica encerada e por fim pudemos repousar a nossa ofegância justificativa na ampla sala de reuniões e convívios desta egrégia Sociedade. Deve esta a sua existência à boa vontade dos seus sócios e simpatizantes que “acreditam na possibilidade do ser humano desenvolver a sua consciência e potencial e dar o seu contributo para a criação dum mundo mais saudável”.
Dos sócios da Tertúlia Bocagiana... apenas cinquenta por cento dos seus membros disseram presente. Sinais de fim de Verão e início de férias. Da Sociedade benemérita, representada pelo incansável Sr. Moreira Rijo que –demonstrando a sua pertinácia pela sempre louvável campanha em prol do espírito e das artes – por isso mesmo, foi a melhor amostra de que, afinal uma Tertúlia Poética pode e deve ser acarinhada. Por este facto, o nosso sincero e amigável reconhecimento.
O que se passou a seguir foi, na verdade, delicioso. Cantou-se o hino de “Bocage Sonhador” – não fôramos nós também incorrigíveis sonhadores – e a nossa Presidente América Miranda presenteou-nos, logo de entrada, com uma dissertação que, não sendo demasiado extensa, conseguiu mais uma vez enriquecer-nos com úteis ensinamentos sobre a saga do nosso Vate Sadino. É que esta Sessão estava dedicada, na origem, à personalidade do poeta Bocage. A autora destacou os passos mais significativos e representativos da vida de Bocage, bem assim alguns traços marcantes da história da sua Época.
Após a brilhante exposição da nossa Presidente, ouvida por todos com suma atenção, trocaram-se algumas palavras de esclarecimento sobre a temática exposta e, enfim, deu-se início a uma Ciranda de declamação pelos poetas presentes e convidados. Houve três rondas poemáticas pelos presentes, cada uma delas entremeada com mais uma actuação à viola de mim próprio. As duas canções mais destacadas tinham música de minha autoria e os textos são, respectivamente, de América Miranda « A força das Palavras» e de Humberto de Castro « Quisera » . Até alguns dos presentes foram trauteando com entusiasmo certas partes das referidas canções.
Quanto aos poemas declamados, sendo que na primeira ronda teria que ser um da autoria do homenageado – facto que praticamente todos cumpriram, a partir da segunda ronda cada um pôde declamar de sua autoria ou então de autoria de qualquer outro poeta, consagrado ou não. Passaram então por esta Tertúlia, entre outros, poemas de Fernando Pessoa, José Régio, Júlio Dantas, Pablo Neruda, Garcia Llorca, Florbela Espanca, Alda Lara, etc.
O ambiente foi sempre agradável até ao fim. Trocaram-se impressões, ideias, opiniões e até se conseguiu que dois dos assistentes a esta Tertúlia, quiçá bastante inibidos de início, declamassem eles mesmos os seus textos por força da acção inteligente e oportuna de América Miranda.
Terminou a Sessão cerca das dezoito horas pelo que, satisfeitos com as actuações uns dos outros, houve lugar às despedidas para as reconfortantes férias estivais.
A próxima Tertúlia ficou aprazada para o dia onze de Setembro – no Auditório Carlos Paredes, de Benfica – Tertúlia essa que constituirá o ponto alto de todas as Tertúlias anuais, já que é dedicada integralmente ao grandioso ídolo da nossa mais genuína poesia, Bocage de seu nome.


Assis Machado / Frassino Machado


publicado por assismachado às 19:52
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Anónimo a 8 de Agosto de 2004 às 22:35
Querido,Frassino:
Muchas gracias por compartir tan fabulosos poemas.Me encantó leerte.
Gracias.
Estoy de vacaciones en la playa pero con un portatil y te agradezco tu amistad y tu poesia.
Un beso enorme y enhorabuena siempre.
InmaFALENA
(http://www.falena.net)
(mailto:falenaborras@hotmail.com)


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

LUGAR À PROSA LÍRICA

arquivos

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds