ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Sexta-feira, 13 de Agosto de 2004
PADAGOGIA POÉTICA - II
bocage.jpg

BOCAGE – “ NO DEALBAR DO ROMANTISMO ”

Por Hernâni Cidade ( * )

Tendo vivido de 1765 a 1805, seria o Poeta já por exteriores motivos de cronologia, mesmo que o não fosse por intrínsecas razões de temperamento, um ser de transição, oscilando, na vida, como na arte nela radicada, entre tendências opostas de em conflito. Com efeito, o último quartel do Século XVIII e o primeiro do XIX são, em Portugal como na Europa ou no mundo europeizado, a fase intercalar de duas culturas sucessivas que, se bem subjacentemente uma se continue na outra, em aspectos de superfície se repelem e digladiam.
Não é preciso dizer que se toma aqui a designação de Idade Clássica, em que Bocage foi educado, e a Idade Romântica, que o Poeta sob vários aspectos anunciou, não como dois receituários de expressão literária, mas como duas atitudes de homem em face do mundo e da vida, da Natureza e de Deus.
A Idade Clássica era dominada pela preocupação da ordem racional, a que procura sujeitar, senão o que se afigura imutável e imperecível, como directa e indirecta criação divina, ao menos quanto se toma como livre criação da vontade do homem – a literatura e a arte, a organização política e social.
A ordem racional exigia obediência à hierarquia que, no homem, sobrepunha a vontade esclarecida pela razão às tendências sentimentais ou aos impulsos instintivos, e na sociedade fortalecia a autoridade familiar ou corporativa, estatal ou religiosa, de modo que o indivíduo lhe ficava dependente, não apenas em sua vida mais subjectiva-sentimental ou intelectual – mas ainda em sua actividade profissional.
Na Idade Romântica tudo foi, senão subvertido, ao menos profundamente abalado. No homem, a razão cedeu ao sentimento o poder mais de uma vez decisivo na direcção do procedimento, enquanto gradualmente se ia reconhecendo ao misterioso Inconsciente a intuição que melhor do que a razão penetrava no mistério que somos e no mistério que nos envolve, e o génio colectivo, a que teríamos devido as línguas, as religiões, as epopeias anónimas; na sociedade, o indivíduo emancipou-se e cresceu interiormente, a cada passo desbordantemente, e a organização política e social teve de reformar-se, no sentido de lhe permitir o realizar-se quanto possível em plenitude. Daí a libertação de quanto nele até então era recalcado pela pressão social: no que respeita às actividades criadoras, na literatura e na arte, a imaginação, a expansão sentimental, o gosto do sensível, a preferência da sensação à ideia, da observação da realidade física à análise de realidade moral, a sobreposição de quanto mais directamente exprimisse o indivíduo, a quanto reflectisse o universal e permanente, objecto da razão.
Naturalmente, entre as duas atitudes sucessivas há as formas de transição, que em certos aspectos se escapam da primeira, sem de todo se integrar na segunda – e é o que se verifica, a nosso ver, na obra de Manuel Maria Barbosa du Bocage, por isso mesmo considerado um pré-romântico.


Três SONETOS DE TRANSIÇÃO :

A )

Olha, Marília, as flautas dos pastores
que bem que soam, como estão cadentes!
Olha o Tejo a sorrir-se! Olha, não sentes
os zéfiros brincar por entre as flores?

Vê como ali, beijando-se, os amores
incitam nossos ósculos ardentes!
Ei-las de planta em planta as inocentes,
as vagas borboletas de mil cores!

Naquele arbusto o rouxinol suspira,
ora nas folhas a abelhinha pára,
ora nos ares sussurrando gira:

Que alegre o campo! Que manhã tão clara!
Mas ah! Tudo o que vês, se eu te não vira,
mais tristeza que a morte me causara.

B )

Se é doce, no recente, ameno estio,
ver toucar-se a manhã de etéreas flores
e lambendo as areias e os verdores,
mole e queixoso deslizar-se o rio;

Se é doce mares, céus ver anilados
ouvirem-se os voláteis amadores,
seus versos modulando e seus ardores,
de entre os aromas do pomar sombrio;

Se é doce mares, céus ver anilado
pela quadra gentil, de amor querida,
que desperta os corações, floreia os prados;

Mais doce é ver-te de meus ais vencida,
dar-me em teus brandos olhos desmaiados
morte, morte de amores, melhor que a vida.

C )

Ó retrato da morte, ó morte amiga,
por cuja escuridão suspiro há tanto!
Calada testemunha do meu pranto,
de meus desgostos secretária antiga!

Pois manda Amor que a ti somente os diga,
dá-lhes pio agasalho no teu manto;
ouve-os, como costumas, ouve, enquanto
dorme a cruel, que a delirar me obriga.

E vós, ó cortesãos da escuridade,
fantasmas vagos, mochos piadores,
inimigos, como eu, da claridade!

Em bandos acudi aos meus clamores,
quero a vossa medonha sociedade,
quero fartar meu coração de horrores!


( * ) - Fonte : Hernâni Cidade, Bocage, Edit. Presença, Lisboa 1986


publicado por assismachado às 20:24
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds