ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Sábado, 24 de Novembro de 2007
LISBOA DE BOCAGE NEM VÊ-LA !
     RETRATOS DE LISBOA


Lisboa das vielas e grandes catedrais.
Lisboa de aguarelas e crimes nos jornais.
Lisboa, de avenidas sem destino ou país,
é dona do seu Tejo e é feliz.
Lisboa que adormece quando o dia é uma criança.
Lisboa com seus fados, de noitadas e andanças.
Lisboa dos marujos, de muitos travestis,
Lisboa que se pode igualar a Paris.

Lisboa tem Pigale no quiosque da Avenida
e os Champs-Elisées no virar de muita esquina.
O Tejo é seu Sena e, mesmo Notre Damme,
não tem a tradição que tem a Sé, na nossa Alfama.

Lisboa, muitos parques (o mais velho é o Mayer).
Lisboa dos cafés, já não há muitos para ver.
Lisboa das revistas, com várias junto ao cais.
Já troca o fado pelo «jazz» em Cascais.
Lisboa dos cinemas, dos museus, galerias,
Lisboa do Mercado Comum... teorias.
Lisboa traz no ventre muitos centros comerciais.
Mas tascas de ginginha... não há mais.

Lisboa dos eléctricos, da Graça à Mouraria.
E agora dos ”laranjas” em constante avaria.
Lisboa das «manifes» e das greves sindicais.
Ai casas de penhores...ai quem dá mais.
Lisboa do Chiado, Bairro Alto e Areeiro,
só troca os seus escudos pelo dólar... que é dinheiro
vamos gastá-lo numa casa de marisco.
Se algum nos resta do que leva o fisco. 

                  António Sala,
                  Director de Coordenação Geral da Rádio
                  Renascença


publicado por assismachado às 20:19
link do post | comentar | favorito
|

A TRIBUNA DOS POETAS - M.ª DE LOURDES AGAPITO e ANTÓNIO CARVALHO
FLORBELA E EU

Por
M.ª de Lourdes Agapito


Do palácio da ilusão sou sentinela,
debruçada sobre mim, procuro a vida,
até me lembro de ti, saudosa Florbela,
por na dor ser contigo tão parecida.

Sinto de ti um pouco uma parcela,
nesta ânsia de viver e andar perdida,
estou agarrada às grades de uma cela
e como tu em uma hora fui nascida.

Sinto pena de ti, de mim, daquela
que como eu e tu, ó doce Florbela,
quisemos amar e dar os nossos seres.

Encontramos ilusões, divórcios, egoísmos,
sofremos e choramos, também rimos,
mas fomos as mais tristes das mulheres.

                *

POMBA BRANCA

Por
António Carvalho


Pomba branca, paz perdida,
que andas tão alto a voar.
Pomba, pomba, minha amiga
vem pousar no meu lar.

Febris são tuas asas. Um louvor
lutando por ampla liberdade.
Traz-me contigo um bom amor
abençoado por toda a Santidade.

Voas ao frio e contra a tempestade,
que tudo derruba ao entardecer,
mas não consegue desfazer a amizade.

É heróico o teu esvoaçar,
pomba traz cedinho ao amanhecer
o beijo que já tarda em chegar!...

                   **



publicado por assismachado às 19:50
link do post | comentar | favorito
|

DIZEM DE BOCAGE OS ENTENDIDOS
                                                  FRASEOLOGIA BOCAGEANA

- América Miranda : “O poeta Bocage, génio incompreensível, repentista sem rival, rei inconfundível do Soneto, Vate cuja obra facilmente se poderia ter guindado às alturas da epopeia, cantor malogrado, como malograda foi a única e radicada paixão, foi desventurado e veio ao mundo predestinado para sofrer. Essa predestinação explica muitas das incongruências da sua vida, sendo muitas vezes julgado severa e injustamente. Oxalá aqueles que o amam verdadeiramente possam contribuir para uma tardia reparação”.

- M.ª de Lourdes Agapito : “Bocage nunca sairá da História Poética da Pátria, porque exteriorizou o seu temperamento sincero e humano com vigor, sensualismo e talento.
Bocage trouxe para o mundo sem fronteiras a sua poesia, o seu nome e engrandeceu o nome de Portugal.
O valor poético e lírico de Bocage bem merece ser relembrado e homenageado com brilho, respeito e dignidade.
Foi o que aconteceu no dia 15 de Setembro (dia do seu nascimento) no Auditório Carlos Paredes, na Junta de Freguesia de Benfica, pela Tertúlia Poética Ao Encontro de Bocage, orientada pela poetisa América Miranda.
Bocage é o expoente máximo perfeito da gesta lusitana, facto do nosso orgulho!”

- Graciett Vaz : “Bocage, apesar de ter sido um grande Poeta, nunca pisou quem quer que fosse para se elevar. Não necessitava, era genial por excelência”.

- Celeste Reis : “Bocage brilhou sempre como uma estrela no meio de um céu trovejante”.

- Amélia Marques : “Todas as lindas homenagens que são prestadas ao grande Poeta Bocage serão sempre merecidas e dignas de apreço. Em espírito ele estará sempre presente nos corações daqueles que o amam”.

**


publicado por assismachado às 19:44
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007
JUSTA DEDICAÇÃO - SAUDEMOS BOCAGE !
PARA BOCAGE

Por
Lourdes Ferreira


Bocage, chora por ti o rio Sado,
e o Tejo também tem saudade
do Boémio e idolatrado
poeta da escrita, e sua mocidade.

Seu português foi rico de sabedoria,
poeta com grande esplendor,
teve muitos amores, por alguns sentia
ciúme, paixão, sofrimento e dor.

Esse nome ninguém esqueceu,
na vida nunca foi vencido,
egrégio Poeta, muito amou e sofreu,
um Génio que jamais será esquecido.

Ainda hoje são celebrados,
os dias lindos de seus anos
no Auditório Carlos Paredes comemorados,
por América Miranda e seus Tertulianos!



publicado por assismachado às 11:52
link do post | comentar | favorito
|

RECORDAR OS POETAS LUSOS - ELMANO SADINO

                                

                     MANUEL MARIA BARBOSA DU BOCAGE


Não podemos deixar de recordar sempre o nosso patrono Bocage. Nasceu a 15 de Setembro de 1765 e foi um dos maiores Vates da Humanidade...
Nas formas arcádicas de ode, canção, cançoneta e sobretudo nos seus Sonetos, vaza a turbulência da sua alma – maior poeta do Século XVIII – ao sentir fugir-lhe a vida aos 40 anos disse:

                          Meu ser evaporei na lida insana
                          saiba morrer o que viver não soube!

Manuel Maria Barbosa du Bocage, talvez um pouco por hereditariedade foi um poeta. Mas o ambiente da época, com os seus preconceitos mesquinhos e seu fanatismo farisaico, seu formalismo oco, sua mentalidade acanhada, fez dele, primeiro um revolucionário, ascendendo depois ao nível de poeta conscienciosamente insubmisso, um idealista, que expressou, como nenhum outro, as aspirações políticas do seu tempo, as quais viriam impor à Nação, aquela estrutura de Estado a que se convencionou chamar Liberalismo, pré-anunciado nos seus versos foi expressão literária e artística. E se a estreiteza do meio lhe permitisse, seria um poeta muito maior, mas apesar de tudo, ainda foi muito grande!



publicado por assismachado às 11:23
link do post | comentar | favorito
|

A ARTE SUBLIME DO SONETO - ELMANO SADINO
“A LABAREDA DO CIÚME”



Há um medonho abismo, onde baqueia,
a impulsos das paixões a Humanidade;
impera ali terrível divindade,
que de torvos ministros se rodeia.

Rubro facho a Discórdia ali meneia,
que a mil cenas de horror dá claridade;
com seus sócios, Traição, Mordacidade,
range os dentes a Inveja escura e feia.

Vê-se a Morte cruel, no punho alçando
o ferro de sanguento, ervado gume,
e a toda a Natureza ameaçando;

Vê-se arder, fumegar sulfúreo lume...
Que estrondo! Que pavor! Que abismo infando!...
Mortais, não é o Inferno, é o Ciúme!


Barbosa du Bocage
In RIMAS


publicado por assismachado às 11:11
link do post | comentar | favorito
|

EM LOUVOR DE BOCAGE - AMÉRICA MIRANDA

                                                    EDITORIAL BOCAGEANO

A maior parte do povo português cita Bocage quando se trata de um dito fresco ou de uma anedota picaresca.
O colossal improvisador, o supremo sonetista entre nacionais e estrangeiros, o vate genial, tão grande como Luis de Camões, com o qual Garrett e outros autores estabelecem o paralelo, não obstante foi conhecido por esse povo com a mais terrível imperfeição e injustiça.
Na vida deste poeta , que nasceu a 15 de Setembro de 1765, houve lutas morais incessantes, grandes desventuras e por fim uma paixão cruciante, porque a união com a mulher que amou verdadeira e apaixonadamente foi impedida pela doença que lhe deu uma prematura morte. O terrível aneurisma não lhe permitiu realizar tão sonhada ventura e os anos de luta, em que a doença o impelia para a morte e o amor o solicitava para a vida, marcam essa última fase da sua movimentada existência como uma subida ao calvário.
O nosso patrono teve um final de vida trágico e pungente, tremenda injustiça para um génio imortal como ele – O Grande Bocage !

América Miranda



publicado por assismachado às 09:33
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds