ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Sexta-feira, 25 de Maio de 2007
TESTEMUNHO DE GENTE JOVEM - RAQUEL PEREIRA

PORQUÊ ?


É tão fácil falar
dizer que acabou
que chegou o fim
que tudo passou !
Tão fácil para ti
apagar o amor,
sim, fácil,
porque não sentes esta dor.
Esta dor interminável
que não me deixa seguir
que não me deixa esquecer
que não me deixa partir...
Lembro de nós
dos nossos momentos
das tuas palavras
dos meus sentimentos
do sabor do teu beijo
do doce do teu olhar
tuas palavras meigas
que me faziam sonhar.
Sonhar com o teu sorriso
com o teu perfume eloquente
com o calor do teu corpo
com o teu beijo quente...
O teu aroma me seguia
e me rodeava por todo a lado.
Era o aroma do amor
e de alguém apaixonado.
Porque me fizes-te isto?
Porque me abandonas-te?
Porque quises-te partir?
Porque me enganaste?
Fizeste-me crer em ti,
acreditar que era possivel
que tu eras a porta
para eu passar de nível.
Esquecer mágoas antigas,
abrir as janelas do meu coração,
abrir a porta principal,
deixar entrar a paixão!
Nunca pensei que me pudesse enganar
e que mais uma vez me iria magoar.
Nunca pensei que tudo era uma farsa
e que em pouco tempo iria acabar...
Não consigo suportar
o que estou a sentir
ainda não acredito
que me estavas a mentir.
Quero pensar que estou num sonho,
um sonho mau... mas irreal
e que passados alguns momentos
acaba todo este mal.
O mal, a dor,
a tristeza do meu coração
todos estes sentimentos
consequência da tua traição !
Porquê? Porquê?
Pergunto ao meu coração
mas ele chora incansável
e não encontra a razão.
Apesar de tudo
não te consigo esquecer
e é este amor eterno
a minha cruz..até morrer !


Raquel Pereira / Benjamim

11º H ,  16 anos
in SENTIMENTOS DE UMA ADOLESCENTE
 



publicado por assismachado às 16:52
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 7 de Maio de 2007
REFLETINDO BOCAGE - MARIA DE LOURDES AGAPITO

 “INTERPRETAÇÃO DE UM SONETO” 

Por
    M.ª de Lourdes Agapito

«Meus dias, que já foram tão luzentes,
hoje de noite opaca irmãos parecem;
meus dias miseráveis emurchecem
longe do gosto e longe dos viventes.

Horror das trevas, peso das correntes
olhos, forças me abatem, me entorpecem, e apenas por momentos me aparecem
rostos sombrios de intratáveis entes.

Pagam-se de rugosa austeridade;
antolha-se-lhe um crime, um atentado
sofrer nos corações a humanidade.

Voai, voai do céu para meu lado,
Ah! Vinde doce amor, doce amizade,
sou tão digno de vós, quão desgraçado».

Bocage
In RIMAS

Diante deste Soneto sentido e doloroso de Bocage, compreende-se o sofrimento e o conflito interior por o poeta estar privado da liberdade.
Nenhum poeta foi tão notável na rima e na métrica como Bocage. Nenhum poeta sentiu tanto o desprezo, o cárcere, a tortura, a inveja como Bocage.
O Vate era ... é um Génio. Todos os seus Sonetos são magistrais.
Bocage não morreu, vive nos nossos afectos e na nossa «Tertúlia Poética Ao Encontro de Bocage»!
A sua vida feita de grandes tropeções, de grandezas e misérias, de dores e de fascínio, são marcas que o poeta deixou na sua grande obra literária. O seu génio foi reconhecido, homenageado e acolhido pela Academia de Belas-Letras.
Na cidade do Sado, Setúbal, sua terra natal, está erguido um digno monumento, constando de uma base com quatro degraus, uma coluna de ordem Coríntia com seis metros de altura e, no topo, uma estátua de dois metros que representa o Poeta vestido com traje da época e com uma pena na mão direita e um livro na esquerda. Na inscrição pode ler-se:

                              
A MANUEL MARIA BARBOSA
                                           DU BOCAGE
                      Admiradores seus Portugueses e Brasileiros

                                                   ***
                                              A BOCAGE 
                         À SUA SENSIBILIDADE E SOFRIMENTO 


                                     Nas horas de paixão viu a seu lado 
                                     os tormentos do cárcere, o desprezo, 
                                     a vingança como cruel atentado 
                                    horrores amarrados com força e peso. 

                                    Da liberdade divina, arredado 
                                    por um manhoso inferno aceso, 
                                    já bastava estar acorrentado 
                                    ainda estar de corpo e sonho preso. 

                                   Como eu compreendo o sofrimento 
                                   do Vate tão ilustre no seu tempo, 
                                   que preces fazia com humildade... 

                                   Ó meu Bocage, talentoso, soberano, 
                                   maior que todos, até que o Oceano, 
                                   Poeta que só pedia amor e amizade!... 



                                                  M.ª de Lourdes 
                                                      Agapito

 



publicado por assismachado às 18:58
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Maio de 2007
A TRIBUNA DOS POETAS - AMÉLIA MARQUES E JOSÉ RIBATUA

ABRI A JANELA AO VENTO

Por
Amélia Marques

Abri a janela ao vento
para a tristeza levar,
o vento tão violento
teimoso não quis entrar.

Abri a janela ao sol
para a minha alma alegrar,
vi um lindo girassol
que encantou o meu olhar.

É o sol o redentor
de toda a alma sofrida,
ilumina e acalma a dor
dos sofrimentos da vida.

E assim vamos vivendo
neste mundo dos mortais,
vivendo e não esquecendo
dos que já não voltam mais.

*

OLHAI POR ELES, SENHOR

Por
José Ribatua

Noite de Inverno
chuva cai intensamente
gente se aquece em lareira
outros na rua, como demente.

Os Sem Abrigo estiraçados
em piso húmido e frio
dormente seu corpo fica hirto
sua vida por um fio.

Vida triste e cruel
não sei se por eles dão
dormindo de pedra em pedra
aguardam caldo e pão.

Olhai por eles, Senhor,
já que na terra não olham
acalentai-os de sua sorte
alimentai-os com o que sonham...

** 



publicado por assismachado às 19:54
link do post | comentar | favorito
|

DE BOCAGE O QUE SE DIGA É SEMPRE POUCO...
                                  FRASEOLOGIA BOCAGEANA


América Miranda

- “Bocage – Herói na sua vida cheia de vicissitudes é para mim o poeta maior, o grande e mágico lírico do Século XVIII. Caluniado, vilipendiado, saiu vitorioso de todas as adversidades pois foi indiscutivelmente um génio. Nunca alguém conseguiu comparar-se ao seu estilo e nunca os historiadores o souberam definir com absoluta veracidade.”

*

M.ª de Lourdes Ferreira

- “Bocage amava a Pátria, mas sentia-se injustiçado e ameaçado com forte violência, todavia como era inocente de todas as calúnias, vivia em paz com a sua consciência, mas sempre muito sofredor.”


publicado por assismachado às 19:51
link do post | comentar | favorito
|

A TRIBUNA DOS POETAS - AMÉRICA MIRANDA E CELESTE REIS
DOCE FEITIÇO

Por
América Miranda

Teu feitiço doma o meu olhar
e minh’ alma é prata derretida
meu corpo nas nuvens vai voar
e do mundo me sinto desprendida.

Brinco com o amor e com a vida
mergulho em silêncio no verde mar
deito-me na areia adormecida
deixando o coração sempre a pulsar.

Quero ir ao Firmamento a bailar
deixo meu ente entregue ao vento
e quedo-me simplesmente a meditar.

Não tem rédeas o meu pensamento
meu seio tem um meigo palpitar
que inebriante e doce este momento!

*

O NOSSO ADEUS

Por
Celeste Reis

Na hora do nosso adeus
fica-nos a voz embargada
mas não lastimosa
tornando mais saborosa
a hora da chegada.

O nosso adeus
cobria de estrelas
o céu da nossa ventura
levando nossas almas
ao êxtase da ternura.

Era grande a comoção
na hora da partida
vibrava a alma de emoção
dando novo sabor à vida!

Aquele adeus
era um breve afastamento
uma despedida calorosa
dando ao nosso sonho
um tom mais cor-de-rosa
um maior encantamento.

Naquele adeus
não havia separação
mas apenas o fermento
dum enorme contentamento
que dava alento ao coração.

Aquele adeus
era um intervalo de esperança
reforçando a lembrança
de novo encontro
à nossa medida.

Pois quem do amor
jamais se olvida
não sabe destruir
e só pensa em unir
o que há de melhor
nesta vida!


publicado por assismachado às 19:22
link do post | comentar | favorito
|

EM LOUVOR DE BOCAGE - AMÉRICA MIRANDA
                                             EDITORIAL BOCAGEANO


Uma das mais determinantes fundamentais da poesia de Bocage, é o seu desejo de liberdade sob os seus mais variados aspectos.
Não admira que assim seja, pois a ânsia de liberdade é sequela natural da ânsia de amor, assim como anda sempre ligada com a plena sinceridade de estados d’ alma, condição para que uma obra mereça o título de obra de arte e de beleza, exaurida do mais fundo de todo o ser do artista genial. Composições como as suas, honram uma literatura.
Não quero deixar de frisar que o nosso excelso Vate nunca deixou de viver duma indestrutível confiança em Deus, posso mesmo dizer que foi graças a ela, que evitou a crise de suicídio que esvoaçou à sua volta. O clarão da fé esteve, talvez por momentos, coberto de nuvens, mas nunca deixou descer até ao âmago da consciência do poeta. Não podemos tomar este tema como alicerce ou como motivo da sua evolução poética, mas existem composições em número suficiente que comprovam tudo aquilo a que me referi.
Existem sonetos do nosso patrono que são hinos de glorificação a Deus, hinos de uma alma sincera que vai até junto de Deus, porque veio de Deus e voltará para Deus, visto não ter outra finalidade sobre a Terra.
 
In O ARAUTO DE BOCAGE, n.º 111/112, Março/Abril de 2007


publicado por assismachado às 08:06
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Maio de 2007
TRIBUNA DOS POETAS - LOBO MATA E FERNANDO ELOY DO AMARAL

DONA JEITOSA

Por
Lobo Mata


Olá Dona Jeitosa
como está passando
com essa cara gostosa
que me vai tramando.

Que me vai tramando
sem dar sinal
nem sequer escutando
meu grito final.

Com essa cara gostosa
e corpo bem feito
clamando ditosa
apontando o defeito.

Como está passando
suas noites, seu dia
pensamentos errando
em festas, em folia.

Olá Dona Jeitosa
pró bem e pró mal
com essa cara gostosa
o fim será igual.

VIVA DONA JEITOSA
COMO ESTÁ PASSANDO
COM ESSA CARA GOSTOSA
QUE ME VAI MATANDO.

*

QUEM QUER AMAR ?

Por
Fernando Eloy do Amaral


Quem é que um pobre velho quer amar?
Que viva a sua triste solidão
se perdeu o seu sonho, a ilusão
e o real vivido viu passar.

E quem vai adoçar seu amargor,
aguentar algidez de coração,
dar suave carícia e devoção
à sua existência a perder cor?

A solidão dá olhos de saudade...
é sepulcro de tudo o que passou
e o berço voraz de uma ansiedade.

Já não se sente amado quem amou,
quem agora sujeito à caridade
do que nele apenas só ficou.

**



publicado por assismachado às 19:13
link do post | comentar | favorito
|

TRIBUNA DOS POETAS – M.ª DE LOURDES AGAPITO E EUGÉNIA CHAVEIRO

OLHAI QUE VALE A PENA

Por
Mª de Lourdes Agapito

À memória de Fernando Namora

- Olhai que vale a pena ver
o sol alaranjado a nascer...
O mar importante e forte,
poderoso com furor de morte.
Olhai Aquele cisne de alvura imaculada
tão puro como a pálida madrugada!...
E o lindo céu azul que escureceu
porque o poeta, o médico morreu!
Olhai!... O sol desceu e vem saudá-lo
e as nuvens branquinhas vêm buscá-lo.
De olhos fechados o poeta dorme
pequenino, frágil, grande, enorme!...

*

ELE HÁ COISAS ...

Por
Eugénia Chaveiro


Eu vou fazer escrevendo
o que a falar não consigo
o papel é meu aconchego
para expressar minhas penas
sinto que ele é meu amigo
por isso faço-o sem medo
escrevendo não sinto algemas
mesmo que diga em segredo
ditado do coração
não sinto a troça e o desdém
de sentir a dor da ingratidão
as coisas que o mundo tem...

**



publicado por assismachado às 19:08
link do post | comentar | favorito
|

TODA A FRONTALIDADE INCOMODA ...

                                            BOCAGE E O PODER

Bocage desprezava qualquer tipo de poder pois sabia, melhor que ninguém, que este corrompia as almas e muito mais as Instituições. Aproveitando-se da sua inspiração e repentismo ele jamais desperdiçava uma oportunidade que se lhe deparasse como oportuna e vai daí denunciava, com frontalidade, todas as situações.
Não surpreende que Bocage acabasse por tombar nas garras daqueles que tão nobremente enjeitava sob o ponto de vista intelectual.
Em Agosto de 1797 o Intendente Geral da Polícia, Pina Manique, decretou a sua prisão, tendo sido, segundo tudo indica, o autor de um relatório para o Bispo Inquisidor Geral sobre o caso, com a data de 1797. Havendo a informação de que circulavam “papeis ímpios, e sediciozos” na Corte e no Reino, mandara indagar sobre a sua autoria, a qual foi imputada a Manoel Maria Barboza du Bocage, o qual vivia em casa de um cadete do Regimento da Primeira Armada, de seu nome André da Ponte e natural da Ilha Terceira. Tratava-se de André da Ponte do Quental da Câmara e Sousa, que viria a ser avô paterno de Antero. Em casa de André da Ponte a devassa de que foi encarregado o Juiz do Crime do Bairro de Andaluz achará vários papeis produzidos por Bocage, entre os quais “hum infame papel ímpio, e sediciozo, que se intitula Verdades duras, e principia Pavoroza Illuzão da Eternidade e acaba, de Opprimir seos Iguaes com o férreo Jugo (…)”.

Síntese de

Assis Machado




publicado por assismachado às 18:26
link do post | comentar | favorito
|

OS AMIGOS DE ITÁLIA - ACADEMIA INTERNAZIONALE "IL CONVIVIO"

METAMORFOSI

di
Giovanni Formaggio

Qui, tra le braccia del tramonto
vivo la mia metamorfosi.
Slaccio le scarpe del giorno
l’ anima trasuda di sole
odoro di nuovo mosto
presagio di generose primavere.
Il cuore respira incensi
di resurrezione
s’ abbandona ai silenzi della sera
ruba loce a quel prato
di stelle.
Qui, filo d’ erba tra le braccia
della notte
mi sento pergamena
con preghiere antiche
vela d’ oro
cullata dalla mano di Dio.

*

METAMORFOSES

Por
Giovanni Formaggio

Aquí, nos braços do pôr-do-sol
vivo as minhas metamorfoses.
Desaperto os sapatos do dia
a alma impregnada de sol
inspira o novo mosto
prenúncio de generosa promavera.
O coração respirando incensos
de ressurreição
abandona-se aos silêncios da noite
roubando luz num prato
de estrelas.
Aqui, fio de erva nos braços
da noite
sinto-me trespassado
com antiga prece
vela de ouro
embalada pela mão de Deus.

**

LA NOSTRA VITA

Di
Giovanni Formaggio


La nostra vita è qui
in questa casa abbrunita dal tempo,
tra le braccia dei campi.
Ti portai, per mano,
molti anni fa,
incontro a miraggi di sogno...
Qui, viviamo gioie e dolori
nell’ inesorabile andare delle stagioni…
Insieme,
guardiamo sulla madia
i ritratti dei figli.
Nel silenzio discreto dei campi,
seduti sulla pietra,
accanto al vaso grande dell oandro,
affiamo tanto di loro,
per mano,
come quel giorno rimasto intantto nel cuore,
attraversiamo il gorgo...
Cosi che il primo di noi che se n’ andrà
possa dire all’ altro:
fummo felici insieme.

*

A NOSSA VIDA

Por
Giovanni Formaggio


A nossa vida está aqui
neste casa bronzeada pelo tempo,
nos braços das campinas.
Levar-te-ei pelas mãos,
muitos anos passados,
de encontro às miragens do sonho...
Aqui, vivamos alegrias e dores
no inflexível decorrer das estações...
Juntos,
guardemos sobre a arca
os retratos dos filhos.
No silêncio discreto dos campos,
sentado sobre a pedra,
ao pé do vaso grande de alcoendro,
confiemos em toda a gente.
Por mão,
aquele dia estando intacto no coração,
atravessemos o redemoinho...
Assim o primeiro de nós que não viagem
possa dizer ao outro:
fomos felizes juntamente!

**



publicado por assismachado às 13:29
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

LUGAR À PROSA LÍRICA

arquivos

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds