ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Sexta-feira, 26 de Maio de 2006
ASSIM DIZEM OS ILUSTRES LITERATOS !
FRASEOLOGIA BOCAGEANA


“A arte de fazer verso chegou ao apogeu com Bocage e depois decaiu... Bocage, o máximo cinzelador da métrica”.

Olavo Bilac

“A melhor definição que da sua arte de poeta podemos dar é a que apatenteie como espontânea resultante de um ser essencialmente harmonioso”.

Hernâni Cidade

“Bocage uma estrela no Firmamento, um sol radioso que aquece os corações frios e desesperados. A minha admiração por ti, Vate Imortal, atinge os cumes da idolatria”.

América Miranda

“O ódio dos inimigos passou, mas Bocage ficou.
Poeta-Sadino, desde menino não perdeu o caminho porque para Bocage e seus amigos, o mundo não tem fim.
A inteligência, o brilho e o talento de Bocage envenenou a alma dos invejosos.
Bocage não morreu, nem nunca morrerá, porque o poeta é imortal, porque ele é um dos maiores, que engrandecem Portugal”.

Maria de Lourdes Agapito

“O poeta ia ao Convento com frequência...” Muitas vezes nos visitava e sempre ouvíamos com a maior admiração os extraordinários improvisos do seu estro sublime”.

José Liberato de Carvalho

“Não há dúvida de que foi Bocage uma das mais notáveis expressões poéticas da Língua Portuguesa. Há mesmo quem afirme, na Acedemia Brasileira de Letras, que só não ultrapassou a Camões, assim sendo o segundo poeta da Língua”.

Dário Castro Alves

Entre os maiores cultores do ideal poético, entre asd grandes luminárias da Arte Literária, em Portugal, temos de evocar o nome e a obra, verdadeiramente genial, de Manuel Maria de Barbosa du Bocage”.

Reis Brasil

“Camões e Bocage – Orgulhe-se Portugal por ter sido berço de dois vultos tão ingentes, dois verdadeiros génios”.

Visconde de São Boaventura

“Muitos são os Poetas, que ao presente ilustram e adornam a nossa Capital: entre estes é sem dúvida um herói na Poesia, o sublime, o eloquente. O grande Manuel Maria de Barbosa du Bocage”.

F.S.J.C.

“É um poeta Verdadeiro, a que não podemos ficar indiferentes”.

J. Prado Coelho


publicado por assismachado às 18:59
link do post | comentar | favorito
|

SENTIMENTALISMO EXULTANTE - BARBOSA DU BOCAGE
Voaste, alma inocente, alma querida,
foste ver outro sol de luz mais pura;
falsos bens desta vida, que não dura,
trocaste pelos bens da eterna vida.

Por Deus chamada, para Deus nascida,
já de vãs ilusões vives segura,
feliz a Fé te crê; mas a ternura,
co' o punhal da saudade está ferida.

Desgraçado o mortal, insano, insano,
em dar seu pranto aos fados de quem mora
no palácio do Eterno Soberano!

Perdoa, Anarda, ao triste que te adora,
tal é a condição do peito humano;
se a Razão se está rindo, Amor te chora.


publicado por assismachado às 18:55
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 23 de Maio de 2006
EDITORIAIS BOCAGEANOS - AMÉRICA MIRANDA
Por
América Miranda

Bocage, o homem apaixonado, decorou, praguejou, ardeu, chorou, desesperou, clamou, tremeu, mas o “artista” sabia por demais que a víscera do sentimento – o coração – é o “vil músculo nocivo às artes”. Todavia existia em si, uma viva força como expoente da expressividade e encanto, o ritmo sacudido, galopante, de choques sucessivos que expressavam os aspectos do seu tumulto emocional.
Bocage fazia da sua arte, principalmente da poesia, fruir razão e inteligência, sensibilidade e imaginação.
Disse o grande poeta brasileiro Olavo Bilac – “A arte de fazer verso chegou ao apogeu com Bocage e depois dele decaiu”. O nosso grande Almeida Garrett afirmou: - “Tão grande como Camões”. E nós tertulianos da Tertúlia Poética “Ao Encontro de Bocage” continuamos a estudar e divulgar a obra desse egrégio Poeta, dedicando-lhe uma admiração sem limites.

América Miranda
In “O ARAUTO DE BOCAGE” , NºS. 101 / 102 , 2006


publicado por assismachado às 19:43
link do post | comentar | favorito
|

A TRIBUNA DOS POETAS - AMÉRICA MIRANDA e LOBO MATA

DOIDO CORAÇÃO

Por
América Miranda

Quando o amor como a nuvem se desfaz
Quando a vida de resistir é capaz
Então há um florescer no nosso corpo
E o sentir desejo não está morto.

Há vida como pássaro a saltitar
Há ânsia de tudo e todos amar
O sangue jorra com tanta esperança
Que a nossa existência é bonança.

O rosto torna-se meigo e langoroso
O porvir se apresenta tão esperançoso
O coração bate mais fortemente
E o corpo é uma chama incandescente.

E tudo isto porque sinto a vida a pulsar
E o mundo inteiro quero alcançar
E com esta ânsia tão fremente
Sinto bater o coração tão doidamente.

Doido coração não pares de pulsar
Pois ainda quero um dia vir a amar.

*

PERFUME

Por
Lobo Mata

Elixires da vida brotavam
Dos seus mamilos eriçados

Fragrâncias multiculores faiscavam
Dos seus olhos azul-turquesa

Rosáceas avermelhadas bailavam
Envolvendo sua boca ardente.

Mil formas confundiam sua mente perversa,
Mil sons condenavam sua alma submersa.

Mil formas
Mil cores
Mil sons
Mil dores
Destruiam sua vida adversa.

Lobo Mata
In “PROSAS E POESIAS”



publicado por assismachado às 19:39
link do post | comentar | favorito
|

CRÍTICA BOCAGEANA - FALAM OS ESPECIALISTAS

HERNÂNI CIDADE  2

“... Mais do que em qualquer outro dos escritores portugueses seus contemporâneos, teve repercussão em Bocage o agravamento profundo, naquele momento histórico vivido em todas as nações da nossa cultura, do conflito permanente entre a ordem e a liberdade. Em sua vida como em sua arte, já teremos notado que oposição semelhante resultava da educação recebida e dos impulsos do temperamento. Era assim natural fosse nele mais sensível a caótica desordem geral. No fundo, um grande momento de crise de crescimento do indivíduo, que o Iluminismo e o Enciclopedismo tinham favorecido, ao ponto de não mais caber nos velhos quadros das Instituições, desde a da Família às do Estado. No mundo clássico, uma hierarquia tradicional, abrangendo todas as relações entre a sociedade e o indivíduo, punha este na dependência dos quadros sociais prefixos e definitivos. Do nascimento à morte, o indivíduo tinha de adaptar-se a tais quadros, como figura escultórica em fachada de igreja, tomando a estatura, constrangendo-se na posição exigida pelo nicho ou cavidade a que era destinada. No mundo que em oposição lhe sucede, e que chamamos romântico, é o indivíduo que submete à sua expansão os quadros, não previamente formados, mas a formar. Passa da sociedade para o indivíduo o centro impulsor do mundo que se reorganiza.
O conflito entre as duas realidades, na hierarquia do mundo, teve repercussão no conflito entre o sentimento e a razão, na hierarquia interior, e daí a era caótica em que se viveu, até a reconquista de um novo equilíbrio – que ainda estamos longe de atingir ... Bocage, segundo o vemos na sua biografia, dá repercussão a este conflito, ele mesmo tem dentro de si, ética e esteticamente, muito de clássico e romântico. Sentimo-lo na sua biografia, acidentada das evasões de um irrequietismo constitucional de ser em oscilação, por isso mesmo em descontentamento que, radicado em si próprio, mais de uma vez julga motivado por um mundo circundante. No fundo, o sentimento doloroso do desnível entre a altura do seu ideal moral e a baixeza do seu teor de vida. Secundariamente, e no plano puramente estético, a diferença entre o seu ideal estético e seus desbordamentos e ímpetos românticos." ( continua )



publicado por assismachado às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 21 de Maio de 2006
JUSTA HOMENAGEM - Gen. HUMBERTO DELGADO 2
O ÚLTIMO DOS HERÓIS


À memória de
Humberto Delgado


Ó ilustre e lídimo Varão de cinco estrelas
que de vezes n’ infame exílio conspiraste
e ousadamente à pobre Pátria regressaste
co’ a intenção de lhe curar suas mazelas...

Ó temerário e fiel Romeiro das vielas
conducentes ao labirinto onde chegaste
e àquela luta desigual, qu’ até ganhaste,
reduzindo ao silêncio as tristes sentinelas.

Teu honesto sonho não cumpriste fielmente
que a humana vida te levou a cobardia
daquele tirano que detinha a lusa gente.

Ó leda Pátria minha, para onde vais,
que não consegues vislumbrar a valentia
que resta ainda da memória dos heróis ?

 


Frassino Machado
In  MUSA VIAJANTE

 



publicado por assismachado às 22:09
link do post | comentar | favorito
|

JUSTA COMEMORAÇÃO - Gen. HUMBERTO DELGADO

       DELGADO, CEM ANOS DEPOIS  (*)

 

Nasceu há cem anos ( em 15 de Maio de 1906 ) o protagonista da maior explosão de entusiasmo popular contra a ditadura Salazarista: Humberto Delgado. Se para os mais jovens este é apenas um nome, os mais velhos recordam-se da onda avassaladora gerada em torno da candidatura do General Sem Medo à presidência da República, em 1958, e da sua promessa de que, se vencesse, demitiria Salazar da chefia do governo. Claro que, na contagem fraudulenta dos votos, perdeu para Américo Tomás, que permaneceria no cargo até à Revolução de 25 de Abril de 1974.

De início adepto do regime, como tantos jovens dos anos trinta, Delgado cedo se aperceberia de que era bem mais nobre bater-se por outras causas. A esta evolução não terão sido estranhos os contactos com os Ingleses para a negociação da base dos Açores e a permanência nos Estados Unidos, como adido militar e representante na Nato. General aos 47 anos, apaixonado pela aeronáutica civil, foi também o fundador da TAP...

Atraído do exílio a uma emboscada, na fronteira espanhola do Alentejo, seria assassinado pela PIDE, em 1965, com foros de selvajaria. Tem sido considerado, por todas as tendências políticas e sociais, como um dos grandes heróis populares portugueses do Século XX.

 

(*) – De  A VISÃO, Nº  689



publicado por assismachado às 21:35
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 20 de Maio de 2006
CRÍTICA BOCAGEANA - FALAM OS ESPECIALISTAS
DR. HERNÂNI CIDADE
PARTE  1

“Bocage, esse, vive à mercê dos ventos que sopram vários, dos caprichos indisciplinados de emotivo, elaborando uma obra sem continuidade, ao ritmo da sua existência de acaso, com seus desníveis e ziguezagues, ascensões e quedas, maravilhas e torpezas, como, costuma ser a dos génios que a vontade não sabe servir e um ideal jamais norteou. Todavia, não pensemos que foi inútil a experiência dolorosa. Bastava a rudeza destes contactos com as hostilidades do meio físico e social, entre os quais nem faltou a emoção de uma tormenta ameaçadora de naufrágio, para que novos acordes, bem mais vigorosos e emocionantes, despertassem numa lira até então de alheamento arcádico em sua vibratilidade erótica ou satírica. Como José Anastácio da Cunha, como a Marquesa de Alorna, como Filinto Elísio, o grande poeta, com beleza superior a todos eles, faz da poesia a sua confidência. Lendo-o, convivemos com a sua alma, assistimos ao desdobrar do seu drama. E a sua «mensagem», como agora se diz, consiste precisamente nesta íntima e comovida comunicação espiritual – e no voluptuoso encanto que a sua arte admirável junta à comoção que nos desperta.
... Bocage tem, se não no sangue, ao menos na cultura, a herança da serenidade clássica, misturada ao tumulto romântico que as condições da sua vida lhe agravam no temperamento.” ( continua )


publicado por assismachado às 11:54
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 19 de Maio de 2006
A TRIBUNA DOS POETAS - JÚLIO ROBERTO e ARMANDO DAVID
AS RESPOSTAS ESTÃO EM TI

Por
Júlio Roberto


Tal como a flor
sem perfume
não atrai as abelhas,
assim tu não podes
esperar atrair amigos
com a tua amargura.

Veste-te de ti
e não de outro.
Saberás então
onde estão
os teus amigos!

*

DESCREVENDO A MENTIRA

Por
Armando David

Na vida há tanta mentira...
mente-se por conveniência;
há quem a use e perfira
só p' ra salvar a aparência.

Eva não mostrou juízo,
a serpente a seduzira;
com o fruto do Paraíso
disse a primeira mentira.

Mentira traz desacatos,
vindo já der longa idade;
pois até Pôncio Pilatos
não conhecia a Verdade.

Mente o rico, mente o pobre,
o canalha, gente bem;
porque a mentira algo encobre
que o saber não lhes convém.

Mentem alguns por prazer,
outros é por cobardia;
vários, p´ra se defender
daquilo que os contraria.

Mente o culto inteligente,
mente o néscio ignorante;
seja o motivo diferente
que a mentira é inconstante.

Muitos mentem a chorar,
há quem nos minta a sorrir;
as crianças, nem falar,
cedo aprendem a mentir.

E porque a mentira encerra
dentro de si falsidade,
veio Jesus Criasto à terra
ensinar-nos a Verdade.

**


publicado por assismachado às 20:19
link do post | comentar | favorito
|

A TRIBUNA DOS POETAS - AMÉLIA MARQUES e CELESTE REIS
A MINHA CASA

Por
Amélia Marques

A minha casa é modesta
mas há carinho e amor
entra o sol pela fresta
ilumina e dá calor.

A minha casa é modesta
tão modesta como eu
o cantinho que me resta
onde escrevo o verso meu.

Na sua simplicidade
vivo mui serenamente
embora com a saudade
do meu grande amor ausente.

Sem quaisquer ostentações
vivo à minha maneira
num caminhar de ilusões
que me segue a vida inteira.

Sou mãe e avó feliz
de seres que tanto anseio
são as minhas flores-de-liz
as pétalas onde me enleio.

*

LUZ MISTERIOSA

Por
Celeste Reis

Não é só a luz do Sol
que a nossa alma ilumnina
há outra maior que nos cega
nos faz tremer e fulmina.

Suavce, às vezes, outras forte,
até nos abana os sentidos
fazendo perder o norte
se formos por ela atraídos.

Pode durar uns segundos
ou até uma eternidade
e bem estremece os mundos
em abanões de felicidade...

Oh, luz bendita,
que as almas aqueces
porque és infinita
sensível às nossas preces.

Bela, misteriosa,
quando entras nos corações
não há outra tão luminosa
nem tão forte nas emoções...

Pois toda ela
venha do Sol ou das estrelas
é sempre bela...
pode a alma fazer florir
mas também perder o siso,
quando a sorrir
nos mandar abrir
as Portas do Paraíso !

**


publicado por assismachado às 20:16
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

LUGAR À PROSA LÍRICA

arquivos

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds