ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Terça-feira, 31 de Maio de 2005
A TRIBUNA DO POETA - FÉLIX HELENO
É TEMPO DE ACORDAR

Por
Félix Heleno


Homem, não queiras ir mais para além
da dimensão que podes descobrir.
Pára, escuta, olha e pensa bem,
que ficas sempre aquém do que há-de vir.

Sonha porque o sonho é salutar.
Sem sonho não há razão de existir.
Mas vê se consegues acordar,
porque o sonho está cansado de dormir.

Sonhas com a paz, fazes a guerra.
Sonhas com um lar, destróis a terra
e dizes ao morrer: - Não existi ...

Tu sofres por ter voz e por não ter,
e recusas-te a lutar para vencer
esse animal feroz que existe em ti.

Félix Heleno
In GRÃO DE PÓ EM SONHO ETERNO


publicado por assismachado às 20:08
link do post | comentar | favorito
|

EDITORIAL BOCAGEANO - « EM LOUVOR DE BOCAGE ! »
Por
América Miranda


A minha enorme admiração por Bocage já vem dos meus tempos de adolescente influenciada por minha mãe e meu avô que o idolatravam. Ainda hoje não posso sequer ouvir chamar-lhe feio, tal como é descrito por alguns estudiosos. Não, eu imagino-o um moço de singular porte, com seus lábios finos nunca descerrados em riso, mesmo no meio de algumas das suas estúrdias, com seus grandes olhos inundados de azul e ainda o imagino com uma consciência de uma possessão transcendente que nas horas de improvisação o arrebatava para muito longe de si próprio.
Imagino-o a recitar como ele o sabia fazer, parecendo habitado pelo demónio da poesia, de pé, os olhos em brasa, os gestos em delírio e dos lábios o facílimo fluir da melodia maravilhosa, mostrando imagens brilhantes, irradiantes de calor comunicativo, havendo um crescente empolgamento em todos que o ouviam.
E eu continuo empolgada com este génio ímpar da poesia, dedicando-me à divulgação e ao estudo da sua obra, até que a vida, a coragem e a saúde me permitirem.

América Miranda
In O ARAUTO, Ano VII, nº 89/90, Junho de 2005


publicado por assismachado às 20:06
link do post | comentar | favorito
|

A TRIBUNA DOA POETAS - ARMANDO DAVID
A BATALHA TRÁGICA

Por
Armando David


O campo de batalha coberto de encarnado
a lividez da morte no rosto dos vencidos;
corpos alquebrados, contorcidos
pelo supremo esforço consumado.

Dor e desolação. Morte na alma;
a guerra é implacável no ódio e na ambição.
Ruínas deixa e, a destruição
rouba ao humano a paz e doce calma.

Mas, no meio deste cena sangrenta
em que o desgosto, o suor e o pó
tudo entristece e cobre de dó
e põe a nu a trágica tormenta;

Indiferente ao choro que fica,
uma voz se eleva por fim
dizendo, altiva, vibrante, qual clarim:
- Viva o Benfica !


Armando David


publicado por assismachado às 19:59
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Maio de 2005
MAIS UM DESAFIO DE AMÉRICA MIRANDA ! - " A TERTÚLIA EM PESQUISA "
LIBELO BOCAGEANO AO MUNDO

- DINAMIZAÇÃO do prof. Assis Machado


Não sou vil delator, vil assassino,
ímpio, cruel, sacrílogo, blasfemo;
um Deus adoro, a eternidade temo,
conheço que há vontade e não destino.

Ao saber e à virtude a fronte inclino;
se chora e geme o triste, eu choro, eu gemo;
chamo à beneficência um dom supremo;
julgo a doce amizade um bem divino.

Amo a pátria, amo as leis, precisos laços
que mantêm dos mortais a convivência,
e de infames grilhões oiço ameaços!

Vejo-me exposto à rígida violência
mal folgo e canto e durmo nos teus braços,
amiga da Razão, pura Inocência.


Barbosa du Bocage
In RIMAS

N. B. Segue-se leitura e reflexão analítica deste Soneto, para discussão em tempo oportuno. O guião condutor ficará a cargo do prof. Assis Machado. Participam todos os Tertulianos.


publicado por assismachado às 19:21
link do post | comentar | favorito
|

CONHECER MELHOR BOCAGE - "A POLÉMICA DOS SEUS AMORES"
BOCAGE.jpg

BOCAGE E OS SEUS AMORES

Amores, Bocage teve muitos. E isso contribuiu para que o poeta ficasse conhecido ao longo da história como namoradeiro e libertino. Em seus poemas surgem os nomes de Marília, Ritália, Márcia, Gertrúria etc. Há quem diga que todas elas são mulheres por quem o poeta se enamorou.
As duas primeiras, correspondem a Maria Margarida Rita Constâncio Alves, que alguns estudiosos apontam como a maior paixão do poeta. Márcia é um anagrana de Maria Vicencia e Gertrúria é Gertrudes Homem de Noronha, filha do governador da Torre de Outão em Setúbal, por quem o poeta se enamorou muito cedo. Devido a quantidade de versos dedicados a Gertrúria, tudo leva a crer que tenha sido ela o grande amor do poeta.
Ao seguir para a Índia, Bocage faz um poema expressando os seus sentimentos amororos:

"Ah! Que fazes, Elmano? Ah! Não te ausentes
Dos braços de Gertrúria carinhosa:
Trocas do Tejo a margem deleitosa
Por bárbaro país, bárbaras gentes?
Um tigre te gerou se dó não sentes
Vendo tão consternada e tão saudosa
A tágide mais linda e mais mimosa;
Ah! Que fazes, Elmano? Ah! Não te ausentes
(...)"
Cabe aqui uma pergunta: Se Bocage estava realmente apaixonado por Getrúria por que abandonou o seu amor e seguiu viagem para Goa?
Por receio de seus atos boêmios?
Para seguir o caminho traçado por Camões, como alguns sugerem?
Para tentar carreira militar?
Para conseguir um nome ilustre e ser digno de Gertrudes?
Todas estas são possíveis respostas para a pero caminho traçado por Camõesgunta original, mas nenhuma delas pode ser comprovada com argumentos lógicos. Segundo alguns grandes teóricos da Literatura e da História Portuguesa, não estaremos muito afastados da questão fundamental se adoptarmos como ponto de partida : "o caminho traçado por Camões" ! E sabemos quanto Bocage se identificava com o destino fatal do Grande Poeta Luso.

Considerações de
Frassino Machado


publicado por assismachado às 19:03
link do post | comentar | favorito
|

A TRIBUNA DOS POETAS - FERNANDO ELOY DO AMARAL
CONSTANTE SONHAR


Por
Fernando Eloy do Amaral


Num constante sonhar perdi a Vida
entre Sonho voraz e Realidade.
Que importa sentir dual Verdade
se é Realidade, só perdida ?

Quando a quimera fica destruída,
por se tornar em Sonho a ter saudade,
e o Sonho se transforma de ansiedade
em concreta vivência entendida

Sentimos na Razão, no Sentimento,
esse cruel remorso do não feito
em dado e raríssimo momento.

Que serve ao ser humano ser perfeito
se passa a viver sempre em lamento
e nunca bem Feliz e satisfeito ?


publicado por assismachado às 18:47
link do post | comentar | favorito
|

MEMÓRIA DOS QUE PARTIRAM - POR AMÉRICA MIRANDA
GABRIEL PAIS - ( 23- 10 - 1924 / 13 - 02 - 2005 )

«Actor Saudade»

Foi com grande pesar que assistimos à partida do nosso querido amigo GABRIEL PAIS.
Grande declamador, actor e cantor, levou a todo o lado a poesia de poetas já consagrados e também de muitos desconhecidos. A Poesia na sua voz tinha um eco diferente e a sua maneira de estar na vida foi muito especial e também muito sofrida. No início da sua carreira trabalhou no Teatro Nacional D. Maria II com os consagrados actores Amélia Rey Colaço e Robles Monteiro.
Lamentamos a tua falta querido amigo GABRIEL e esperamos que estejas finalmente em paz e no lugar que mereces. As nossas saudades

América Miranda


publicado por assismachado às 16:45
link do post | comentar | favorito
|

A TRIBUNA DOS POETAS - AMÉRICA MIRANDA
A VIDA

Por
América Miranda


A vida é um enorme vendaval
que varre as emoções
traz-me o bem e o mal
destruindo as ilusões.

É um remoinho de vento
é o céu enluarado
é como um catavento
que vira p’ ra todo o lado.

“É um querer e não querer”
é um amor sem ter amor
dá alegria ao sofrer
dá-nos mágoa e amargor.

A Vida é um curto tempo
que a morte nos quer dar
alegria e sofrimento
é uma forma de estar.

Mesmo assim eu amo a Vida
com suas contradições
embora co’ a alma ferida
ainda tenho ilusões !



*


QUADRA DE MIM


Triste palavra a solidão
que aparece em meu caminho
faz sangrar meu coração
pela falta de um carinho !


***


América Miranda


publicado por assismachado às 12:30
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 25 de Maio de 2005
A TRIBUNA DOS POETAS - EUGÉNIA CHAVEIRO
DESEJO DE CANTAR


Por
Eugénia Chaveiro


Quem canta seu mal espanta
diz o povo e com razão
é uma voz que se levanta
e quem fala é o coração...

Um coração a pulsar
como o relógio hora a hora
se comparam ao rodar
dos alcatruzes da nora...

A nora que tira a água
para regar a Natureza
seu rodar tem certa mágoa
junto de tanta beleza...

Essa beleza sem par
nas voltas que dela pende
é difícil de escutar
só o poeta as entende...

Esse som ensurdecido
com o tempo não esqueço
sinto entoar-me ao ouvido
para além do Universo !


Eugénia Chaveiro
In DEGRAU PARA UM HORIZONTE


publicado por assismachado às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

"PARA QUE CONSTE" - ANTÓNIO CARVALHO
HOMENS, ARTES E TRETAS II

Por
António Carvalho

Pelo exposto anteriormente só estiveram patentes 249 trabalhos de cento e quarenta e oito artistas das várias centenas que concorreram.
Uma grande parte dos artistas portugueses ( cursados ou não ) de grande nomeada e que pertenciam ao “Grupo de Artistas Portugueses” foram pura e simplesmente recusados...
Assim no ano seguinte ( 1958 ) realizaram uma exposição das “Obras Recusadas”, num total de cem Trabalhos de trinta e nove pintores e quatro escultores. Entre os artistas excluídos estavam: Albertino Guimarães, Alda Machado Santos, Domingos Rebêlo, Fortunato Anjos, Fernando Santos ( Prémio Rocha Cabral – 1929 ); António Saúde (Medalha de Honra da SNABA); João Reis, possuidor de várias medalhas internacionais, e muitos clássicos e impressionistas. Os escultores: Júlio Vaz Júnior, outra medalha de Honra da Casa dos Artistas; João da Silva, premiado em Paris, Barcelona e Rio de Janeiro, e Raúl Xavier, condecorado com o Oficialato de Cristo, na Exposição do Mundo Português.
Estávamos num período de “renovação” e as relações entre figurativos, abstractos e outras tendências estéticas eram hostis. No ano de 56, já nas Belas Artes se tinha realizado o “Salão dos Artistas de Hoje” e finalizado a “Geral de Artes Plásticas”. No ano seguinte ( ano da exposição da Gulbenkian ) dá-se a reforma do ensino das Belas Artes.
Ao tempo já existiam dois agrupamentos de grande mérito: o “Grupo dos Artistas Portugueses – GAP” (1945) onde estavam muitos dos pintores e escultores já mencionados, e o “Grupo Português dos Aguarelistas – GPA “ ( 1949 ) a que pertenciam José Félix, Alberto de Sousa (vogal da Academia de Belas Artes), Mário Salvador e muitos outros mestres da especialidade.
A Gulbenkian cessa as suas exposições com a realização da 2ª Exposição deste género em 1961, passando a um intercâmbio com o estrangeiro e certames itinerantes.

António Carvalho, Do Catálogo da 1ª Exposição, 1957


publicado por assismachado às 19:34
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

LUGAR À PROSA LÍRICA

arquivos

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds