ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Domingo, 28 de Novembro de 2004
EDITORIAIS BOCAGIANOS - 06 ... Em louvor de Bocage !
EDITORIAL

por América Miranda


Bocage foi um desses clarões que fulguram rubros acima de todo o horizonte para que toda a gente os veja e admire. Inquieto ou submisso, piedoso ou sarcástico, simples ou eloquente, inconsequente ou sentencioso, era um jovem insatisfeito, vivendo com a lira e à maneira do cantor de “Os Lusíadas” enaltecia o Olimpo e adorava o Céu.
Manuel Maria era um romântico por natureza e na poesia um lírico que nasceu numa época de transição literária, na qual a literatura de Portugal emergia do marasmo do pseudo-classicismo, ainda dominante no Século XVIII para o doce período do Romantismo. Desviando-se dos moldes clássicos, demasiado rígidos o nosso Vate pendeu para a escola que seria a de António Feliciano de Castilho. Embora o seu forte fosse o Soneto, onde foi mestre, compôs vários géneros de poesia, entre os quais odes satíricas e anecreônticas. A sua índole belicosa por vezes custou-lhe amargos dias, sobretudo naquele período de vero despotismo governamental e religioso. Por toda a sua grandeza rendo as minhas homenagens ao Egrégio Poeta que foi Manuel Maria L’Hedois de Barbosa du Bocage.

América Miranda

De O ARAUTO DE BOCAGE, nºs. 73 / 74


publicado por assismachado às 13:08
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 27 de Novembro de 2004
A TERTÚLIA DA BEM-AVENTURANÇA - América Miranda

trevo.jpg VERDE TREVO


 


Dizem que dás felicidade


meu verde trevo amoroso


ao ver-te tenho saudade


do meu amor tão formoso !


 


América Miranda



publicado por assismachado às 16:22
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 23 de Novembro de 2004
A TRIBUNA DOS POETAS - América Miranda
À DERIVA

Por
América Miranda


Estou só no meio do ruído e da estupidez que grassa à minha volta.
Rostos alvares sem expressão humana, gargalhadas sem sentido, palavrões
saindo por vezes de bocas lindas, que foram feitas para beijar, para dizerem
frases belas, mas não, está tudo virado do avesso, tudo tão adverso ao mundo
em que fui criada, tão cheio de mimosas flores e que agora se apresenta
tenebroso e cheio de cruéis dúvidas.
Debato-me em angústias mil, perguntando ao meu Eu ansioso, se vale a
pena viver num mundo que não parece ser meu e no qual vagueio à deriva.
Sem ti, amor, nada parece real, nada me agrada e me preenche. Escrevo
porque amo a poesia, declamo porque a minha voz quer gritar aos quatro ventos a
beleza que vem da alma dos poetas, amo e enalteço Bocage precisamente por ele
ser diferente, ser único e só um desafio como este pode amaciar a dureza que
vem tomando conta do meu ser.
Tem piedade, Senhor, de um coração atormentado que se debate em vagas
alterosas, que quer ter paz mas só encontra solidão, tristeza e
incompreensão. Que luta tremenda vai na minha alma ! Será que sou feliz ?
Será que o finjo ser ? Quem sou eu, afinal ? Barco à deriva no mar que só
encontra porto seguro nos braços amantes e carinhosos da poesia e na fé
inabalável naquele Criador que me fez pensar, nos dias de intenso sofrimento,
que Se tinha esquecido de mim.
Vou abrir os braços à vida, ao sol, a todo o firmamento, para que os
dias que me restam na terra possam ser de relativa felicidade e que eu possa
levar sempre, àqueles que sofrem, um sorriso luminoso para que as suas vidas
sejam menos agrestes.
Senhor, ajuda-me a superar o turbilhão que vai na minha alma e a
conservar para sempre a fé indestrutível que tenho em Vós.


Lisboa, 16 de Novembro de 2004



América Miranda


publicado por assismachado às 14:23
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 17 de Novembro de 2004
A TERTÚLIA NO TEATRO - « A Tertúlia das Maleitas »
A TERTÚLIA DAS MALEITAS

por
Assis Machado

Não basta estes dias serem mal pautados
co’ América Miranda agoniada
que ao fim de meia hora bem passada
apenas quatro tertulianos ‘stão chegados.

Dos tristes nunca reza a história, isso não,
nem daqueles que a vida é só cantiga
e por mais que esta Mestra cumpra e diga
não há maneira de virar esta feição ...

Celeste das momices, gestos e risadas,
Carvalho vai ao tinto quando calha
( e nem ao burro diz “se queres tu palha ?” )
quando Eloy se dispunha a lhe seguir passadas...

Eugénia e Perpétua quase angustiadas
mas sempre prontas p’ ra marcar presença,
com Amélia e Graciett sem avença,
p’ ra este tempo agreste bem agasalhadas.

Frassino, com voz forte, o micro destilou
qu’ à América telúrica disposta
fez uma lição clara e contraposta
à voz d’ Isabel a quem o vento levou !

E ao lanche prazenteiro do cénico bar
por mini-chás e bolos migalhados
co’ estas maleitas ‘stamos bem tramados
qu’ assim um dia esta Tertúlia vai ao ar !



Frassino Machado
In RUDIMENTOS


publicado por assismachado às 22:33
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 9 de Novembro de 2004
A TRIBUNA DOS POETAS - 7 ( ** )
QUEREMOS

por

Mª de Lourdes Agapito


Queremos um mundo melhor
cheio de paz e de bem,
e andarmos de mãos dadas
com nosso pai e nossa mãe.

Queremos mais atenção,
mais doçura, mais amor,
somos simples por condão
e frágeis como a flor.

Trazemos nos olhos o sol
e nos corações a esperança,
giramos como um girassol,
queremos paz e confiança.

Gostamos dos animais,
da chva, da água do mar,
das árvores e dos pardais,
de correr e de brincar.

Vamos erguer nossas mãos,
esperando novas mudanças,
para que sejamos tratados
no mundo, como crianças.


Mª de Lourdes Agapito
In DESPERTAR PARA A VIDA


publicado por assismachado às 17:57
link do post | comentar | favorito
|

TERTÚLIA POÉTICA ITENERANTE - « A TERTÚLIA DAS AVARIAS »
A TERTÚLIA DAS AVARIAS

Crónica de
Assis Machado

Realizou-se mais uma animada Tertúlia no transacto dia seis de Novembro. Dia que traçou o seu devir dentro duma pacífica calmaria de Outono.
Teve lugar mais uma vez no Auditório Carlos Paredes, à Avenida Gomes Pereira, em Benfica. Eram dezassete e quinze minutos quando cheguei e já estavam na área, prontas a actuar, três tertulianas combativas. Uma delas, como não podia deixar de ser, era América Miranda.
Entrámos cedo no Auditório. Já havia acabado de se realizar mais um ensaio de gente jovem. Agora era a nossa vez. Foi travada uma luta com o tempo para preparar, como é óbvio, os instrumentos e o ambiente.
Não estava casa cheia, todavia as pessoas presentes foram mais que suficientes para dar sentido à Sessão. Iniciou-se esta com a intervenção de América Miranda que, como sempre, criou espectativas justificáveis para que o ambiente fosse o melhor. De início gerou-se um leve contratempo, pois que ainda não tinham chegado os Programas encomendados. Mas, para que não fosse criado um impasse desnecessário, a apresentadora passou a anunciar o primeiro interveniente. Como é óbvio, logo aqui surgiu uma pequena lacuna. Devido à ausência dos textos do Programa saltou-se por cima do ”tradicional começo” : não foi cantado o Hino da Tertúlia. Da ocorrência, é certo, ninguém se lembrou. Todavia estava programada a abertura daquela forma. Em alternativa, poderia ter sido cantado no encerramento, facto que seria perfeitamente normal.
Mas, como dizíamos, entrou em cena o primeiro interveniente. Tratou-se do fadista Mário Rodrigues. Dentro da normal competência e prestígio interpretou dois fados de sua autoria. Todos se agradaram da sua interpretação que foi muito aplaudida.
A seguir actuou a fadista Flora Silva que, com toda a vivacidade, brilho e acutilância quanto baste , nos brindou com dois excelentes textos do seu prestigiado reportório. Foi correspondida, naturalmente, com muitas e merecidas palmas.
Ambos se fizeram acompanhar por dois guitarristas de qualidade que, para além da sua perfomance, nos ofereceram dois pequenos instrumentais de graciosa interpretação, o que foi muito apreciado.
Chegaram, enfim, os famigerados e requeridos Programas que, apressada e subrepticiamente foram distribuídos pela plateia.
Entretanto América Miranda anunciou mais um interveniente de qualidade. De sua graça Júlio Roberto. Tradicionalmente, bom intérprete e declamador, desta vez, fugindo do Programa, optou apenas por desbobinar um breve acervo de considerações acerca da qualidade e importância do papel desta Tertúlia, no contexto das Letras e das Artes em Portugal, não deixando de realçar, justamente, o papel determinante da poetisa América Miranda. O seu testemunho sábio e oportuno foi muito estimado e aplaudido.
De seguida a presentadora chamou ao palco o actor Mário Jorge que, com bastante empenho e mestria nos presenteou com duas declamações do seu larguíssimo reportório. Muito apreciada e aplaudida a sua prestação.
Chegou a vez da primeira actuação do cantor Humberto de Castro que, com play back de fundo, interpretou com o seu tradicional à vontade, dois belos temas de sua autoria, que muito agradaram à audiência.
Aproveito para dizer que até aqui já havia acontecido uma sequência de diversas avarias : ora os micros não estavam devidamente sintonizados, ora as suas hastes não se aguentavam na sua estrutura de apoio, ora a estante das partituras não se mantinha fixa, como lhe competiria, ora os óculos do cantor não estavam no sítio certo, ora as luzes do palco não coincidiam com o lado mais a jeito do servidor, enfim, parece que estava prevista a Sessão ter estas características.
Contudo o espectáculo continuou ou não estivesse ao leme uma exímia e imperturbável timoneira chamada América Miranda.
Subiram ao palco, nesta sequência, alguns tertulianos que, com todo o empenho apresentaram positivamente as suas prestações. Assim, respectivamente, Armando David, Amélia Marques, Perpétua Matias, Lurdes Agapito e Eugénia Chaveiro brindaram-nos, cada um por sua vez, com dois textos poéticos de fino recorte. No geral, foram boas as suas actuações.
Chegou agora a vez de América Miranda chamar ao palco a autor desta Crónica que, como melhor pôde, interpretou ao vivo e à viola duas canções que julgo terem agradado, pois muitas foram as pessoas que acompanharam quer com palmas, quer cantando, os respectivos refrões. Foi bom para animar e aquecer um pouco o ambiente.
Neste momento entra em cena, para nos ofertar uns bons laivos de poesia viva : a presidente América Miranda. Os seus textos, riquíssimos como sempre, foram declamados com a mais alta competência, nomeadamente o CÂNTICO NEGRO de José Régio, o qual foi aplaudido de pé por todos os presentes.
O momento anterior foi tão esfusiantemente vivido que quase toda a gente se ia esquecendo de uma das mais constantes e prestigiadas tertulianas. E o seu nome estava no Programa. Foi mais uma oportunidade da nossa contrição que teve o seu papel decisivo nesta ocorrência. Maria de Lurdes Ferreira de seu nome subiu ao palco assim, quase no final, com mais pompa e circunstância e reforçada com os preclaros encómios por parte da nossa distinta apresentadora. Acabou por ser ouvida com emocional atenção por toda a plateia, saindo assim mais enriquecida da sua actuação.
Quem ferveu em lume brando foi Humberto de Castro, a quem competia fechar a Sessão com mais dois temas cantados da sua lavra. Tendo como desiderato sine qua non estar na Gulbenkian, para se deliciar com um programa de balet, o tempo urgia e estava-se a tornar quase incompatível. Ainda por cima a nossa apresentadora havia chamado já, mais uma vez, pelo nome do autor destas linhas. Na contingência possível declamei dois temas poéticos de curta estrutura para não provocar mais instabilidade no cantor. América Miranda nem se apercebeu, penso eu, desta procela.
Todavia Humberto de Castro com a sua têmpera e paciência de lutador destas galáxias lá tirou mais duas belas interpretações que foram a delícia dos ouvidos presentes.
E assim chegou ao fim esta Tertúlia das Avarias que, sem a calma e experiência de América Miranda poderia ter sido um descalabro. Mas não. Pelas palavras finais ditas com frontalidade e pragmatismo a nossa apresentadora e Presidente mostrou-se satisfeita pelo convívio que acabava de ter lugar, convidando todos os presentes a voltarem na próxima Sessão e que, se possível, possam trazer muitos amigos.



Assis Machado


publicado por assismachado às 12:33
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A VOZ POÉTICA DOS TERTULI...

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds