ESPAÇO COLECTIVO ARTISTICO E CULTURAL - COORDENADO PELA POETISA AMÉRICA MIRANDA - E ONDE SE INSEREM AS CONTRIBUIÇÕES DE TODOS OS TERTULIANOS, TANTO EM VERSO COMO EM PROSA, COM O OBJECTIVO DE DIVULGAÇÃO E HOMENAGEM AO GRANDE POETA ELMANO SADINO !
Quinta-feira, 7 de Junho de 2007
CAMINHOS DE PROSA - ENSAIO DE LOBO MATA
                                            OS OLHOS DA GLÓRIA

                                                        Por
                                                   Lobo Mata

Relembro e recordo com nostalgia e saudade.
- Os olhos da Glória
- As pernas e ancas da Mariana
- A cintura da Susana
- Os seios da Fulana
- Os lábios da Sicrana.
Mas aqueles olhos, senhor! Foram retirados das profundidades oceânicas?
Aqueles olhos, senhor! São pérolas negras, saídas, expulsas por invejosas pérolas brancas, do fundo dos mares, pelas águas revoltas?
Aqueles olhos, senhor! São a dor da alma! São antídoto aos maus espíritos!
Aquelas sobrancelhas bem desenhadas, ligeiramente arqueadas; aquelas pestanas pretas, compridas, longas; aquelas pupilas negras, brilhantes, emergindo da profundidade dum qualquer mar ( oh, Mindanau! ) , onde apetece mergulhar e morrer.
Quanto pensam.
Como falam, gritam e chamam para o banho eterno.
Quanta doçura transborda daquelas pálpebras, abrigo natural de tais pérolas, violentamente expulsas por marés geradas na sua própria, inegável e invejável profundidade.
Quanta beleza emana daquele conjunto límpido, transparente, cristalino, negro... difusor de luz própria: cintilante, irreal, luz negra que ilumina tudo, tanto!
Como brilha o negro daqueles olhos quando uma lágrima doce nasce e se fixa suavemente nas suas ( perfeitamente desenhadas ) extremidades angulares à espera de algo ou de alguém, que a acaricie, a guarde, a beba ... Ou simplesmente a transforme ( no seu todo, no seu tudo ) em nada, diluindo-a na cavidade ocular fazendo sobressair o brilho daqueles diamantes negros, daquelas pérolas negras, daquelas pétalas negras duma flor que se quer livre – nos baixos vales e nas altas montanhas – permitindo dizer, sobretudo pensar: como é bom viver, revivendo; recordar, recordando; antes, agora e depois; tantos momentos de glória, senhor!
Tanta Glória, Deus Meu !


publicado por assismachado às 22:43
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TERTULIANOS LAUREADOS - M...

A TERTÚLIA NO FACEBOOK

POEMAS DE GOETHE

O SÉCULO DE BOCAGE

POETAS DO FUTURO

OS AMIGOS DE ITÁLIA

TERTÚLIA ANUAL DE HOMENAG...

COLABORAÇÃO POÉTICA

TRIBUNA DOS TERTULIANOS

LUGAR À PROSA LÍRICA

arquivos

Setembro 2012

Maio 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Dezembro 2009

Setembro 2009

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds